Dental Tribune Brazil

Pesquisadores enfatizam a importância da seleção apropriada de EPI durante a pandemia de COVID-19

By Dental Tribune International
February 17, 2021

PORTO, Portugal: Um artigo publicado recentemente, que é o segundo de uma série de três partes sobre a gestão do COVID-19 em contextos de assistência clínica odontológica, visa descrever a seleção e utilização de equipamentos de proteção individual (EPI) por profissionais de assistência odontológica , com base no nível de risco associado aos procedimentos planejados. Os pesquisadores enfatizam a importância de colocar e retirar adequadamente o EPI, bem como escolher o equipamento adequado, pois pode estar associado a risco de infecção.

À medida que mais pesquisas são feitas, os cientistas são capazes de entender melhor como o vírus SARS-CoV-2 se espalha e como a transmissão pode ser contida. O EPI em ambientes odontológicos é importante nesse sentido, por isso os profissionais da odontologia devem trabalhar continuamente para otimizar as precauções universais e adotar medidas que garantam a proteção para eles e seus pacientes contra infecções virais. Conforme explicado na primeira parte da série, os pesquisadores, que são da Universidade do Porto, do Instituto Universitário de Ciências da Saúde e da Universidade Fernando Pessoa, em Portugal, reiteraram que a seleção do EPI depende diretamente do cenário epidemiológico local, das características do paciente e o nível de risco dos procedimentos planejados (baixo, moderado, alto).

O enxaguatório bucal pode reduzir o risco de transmissão

Além de se vestir adequadamente, há outra etapa que está sendo recomendada. Antes do início do tratamento odontológico, os pacientes devem realizar um enxágue pré-procedimento com um colutório desinfetante para ajudar a reduzir o risco de contaminação para o profissional de saúde odontológica. Mesmo que não haja nenhuma evidência clínica de que esta etapa possa prevenir a transmissão da SARS-CoV-2, os cientistas sabem que a SARS-CoV-2 é vulnerável à oxidação. Os enxaguatórios bucais pré-procedimento contendo agentes oxidantes, como peróxido de hidrogênio a 1%, têm sido sugeridos para reduzir a carga viral salivar.

 A proteção contra SARS-CoV-2 depende de muitos fatores

Enquanto a vacina não estiver amplamente disponível, não há alternativa a tomar tantas medidas de proteção quanto possível. No entanto, a disponibilidade de EPI difere de país para país. Em caso de acesso limitado aos EPIs, os pesquisadores estimulam os profissionais da odontologia a realizarem apenas tratamentos absolutamente necessários e minimamente invasivos, utilizando instrumentos manuais ou que não gerem aerossóis, além de medidas de reforço da desinfecção. Além disso, deve ser promovido e reforçado o treinamento de todos os profissionais de saúde quanto aos protocolos básicos de higienização das mãos, etiqueta respiratória, distanciamento social e conhecimento dos sintomas do COVID-19, entre outros.

 O básico

Um kit de EPI adequado deve incluir o seguinte: proteção corporal (mangas compridas, bata resistente a líquidos e boné / boné), proteção ocular (óculos ou protetor facial), máscaras, luvas e calçados clínicos.

Além disso, a colocação e retirada do EPI é importante e os profissionais de saúde devem ser instruídos sobre isso. Antes de colocar o EPI, os pesquisadores recomendam que os profissionais da odontologia devem certificar-se de que retiraram todas as joias, bebeu água, se necessário, para evitar a desidratação e verificar a conformidade do equipamento. Durante o tratamento, não devem ser feitos ajustes no equipamento de proteção. Além disso, o EPI deve ser colocado na ordem correta (higiene das mãos, bata, respirador, boné / gorro, óculos de proteção / protetor facial e luvas). O EPI deve ser removido de acordo com a sequência padrão e sem movimentos rápidos. Para evitar o risco de infecção, as mãos contaminadas nunca devem tocar em áreas limpas ou na pele. A retirada do EPI deve ser realizada com cuidado e os materiais descartáveis ​​devem ser descartados da forma usual para resíduos altamente infecciosos.

O estudo, intitulado “COVID-19 management in clinical dental care Part II: Personal protective equipment for the dental care professional”, foi publicado online no International Dental Journal em 18 de janeiro de 2021, antes da inclusão em uma edição.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

© 2021 - All rights reserved - Dental Tribune International