Search Dental Tribune

Dentistas na Alemanha não são mais propensos a pegar COVID-19 do que a população em geral

E-Newsletter

The latest news in dentistry free of charge.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.
Entre janeiro e abril de 2020, as equipes odontológicas na Alemanha não enfrentaram maior risco de transmissão de SARS-CoV-2 do que a população em geral, de acordo com pesquisadores da University Medicine Greifswald. (Imagem: Kim Kuperkova/Shutterstock)

GREIFSWALD, Alemanha: Um estudo realizado por pesquisadores da University Medicine Greifswald comparou o risco de transmissão de SARS-CoV-2 entre equipes odontológicas com o da população em geral e teve como objetivo esclarecer o impacto das medidas de proteção em ambientes odontológicos. O estudo, específico para a Alemanha, constatou que os profissionais de odontologia do país não enfrentavam risco ocupacional elevado.

No início da pandemia, supunha-se que os dentistas e suas equipes eram mais suscetíveis à infecção por SARS-CoV-2, devido ao contato próximo com os pacientes e ao uso de procedimentos geradores de aerossol (AGPs) em seu trabalho. Nos meses seguintes, à medida que os cientistas aprenderam mais sobre o vírus, diferentes estudos apoiaram ou contestaram essa hipótese.

À luz das incertezas em torno do risco de transmissão em ambientes odontológicos - e porque nenhum estudo específico da Alemanha foi realizado - os pesquisadores realizaram um estudo transversal com 2.784 profissionais de odontologia de cerca de 1.125 clínicas na Alemanha. A pesquisa foi realizada entre janeiro e abril de 2020 em cinco regiões do país que, segundo o Instituto Robert Koch (RKI), tinham alta incidência de SARS-CoV-2. Estes foram Dresden, Berlim, Hamburgo, Colônia/Düsseldorf e Stuttgart.

Cada participante devolveu um conjunto de coleta de sangue seco que foi testado para anticorpos IgG anti-SARS-CoV-2 e cada um deles preencheu um questionário. O questionário perguntou aos participantes se eles haviam tido uma infecção anterior por SARS-CoV-2 confirmada por um teste de PCR, qual era seu status de vacinação e se haviam tratado pacientes com resultado positivo para o vírus. Os pesquisadores consideraram os participantes como infectados com o vírus se mostrassem anticorpos SARS-CoV-2 ou se relatassem um teste PCR positivo. A população controle foi selecionada a partir de uma amostra populacional nacional.

“Provavelmente, o uso generalizado de máscaras FFP, medidas de ventilação e a baixa carga de vírus nos [AGPs] contribuíram para essas descobertas”

Dos participantes, 146 testaram positivo para anticorpos SARS-CoV-2, e o autorrelato de infecção elevou o total para 179, ou 6,5% da amostra. A frequência de anticorpos foi maior em Dresden (8,2%) e Stuttgart (5,0%), seguido por Colônia/Düsseldorf (4,8%), Berlim (3,3%) e Hamburgo (1,9%). Os pesquisadores escreveram: “Na população em geral, a incidência cumulativa de infecções por SARS-CoV-2 validadas por PCR relatadas ao RKI no período entre 1º de outubro de 2020 e 15 de abril de 2021 foi de 5,0% para Dresden, 4,1% para Berlim, 3,4% para Hamburgo, 3,7% para Colônia e 3,5% para Stuttgart.”

Com base nesses resultados, os pesquisadores concluíram que dentistas e equipes odontológicas na Alemanha não enfrentaram um risco aumentado de transmissão paciente-dentista. “Nossa conclusão provisória é composta por nossos resultados, bem como informações da literatura relatada. Provavelmente, o uso generalizado de máscaras FFP, medidas de ventilação e a baixa carga de vírus nos [AGPs] contribuíram para essas descobertas”, escreveram eles.

Os pesquisadores citaram dois estudos do RKI que descobriram que, entre janeiro e março de 2020, a prevalência estimada de anticorpos na população geral estava entre 3% e 10%.

“À luz desses números, acreditamos que a prevalência de anticorpos SARS-CoV-2 entre a equipe odontológica é comparável à população geral na Alemanha. No entanto, temos que sustentar que essas conclusões são baseadas em evidências fracas”, alertaram os pesquisadores. “Nossos resultados, alinhados com outros estudos publicados internacionalmente, confirmam que as medidas atuais para reduzir a transmissão continuam a funcionar contra a transmissão adicional do SARS-CoV-2”.

O estudo, intitulado “Prevalence of SARS-CoV-2 IgG antibodies among dental teams in Germany”, foi publicado on-line em 11 de janeiro de 2022 na Clinical Oral Investigations, antes da inclusão em uma edição.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *