Impressão 3D: estudo examina experiências e gastos de usuários de dentistas

Search Dental Tribune

Impressão 3D: estudo examina experiências e gastos de usuários de dentistas

E-Newsletter

The latest news in dentistry free of charge.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.
Pesquisadores descobriram que a maioria dos profissionais de odontologia usa seu dispositivo de impressão 3D pelo menos a cada dois dias e a grande maioria o usa pelo menos uma vez por semana. (Imagem: YAKOBCHUK VIACHESLAV/Shutterstock)

BUDAPEST, Hungria: O uso de manufatura aditiva em odontologia é difundido nos mercados odontológicos; no entanto, há uma falta de informações sobre os aspectos práticos de como os especialistas em Oontologia estão usando a impressão 3D e o valor que estão gastando com isso. Um estudo liderado por pesquisadores da Universidade Semmelweis, em Budapeste, procurou estabelecer os fatos sobre a impressão 3D na odontologia para caracterizar seu uso.

De acordo com o estudo, a manufatura aditiva passou por uma revolução de preços por volta de 2010. A tecnologia já existia há quase duas décadas, mas os preços mais baixos trouxeram a impressão 3D ao alcance de consumidores e grupos profissionais, e dentistas e laboratórios dentários foram alguns dos principais investidores em soluções de impressão 3D compactas iniciais.

Mais de uma década depois, a impressão 3D está sendo usada em todos os campos da odontologia, inclusive em prótese, ortodontia, implantodontia e cirurgia maxilofacial. Os autores afirmaram, no entanto, que “pouco conhecimento foi coletado dos especialistas no uso físico dessa tecnologia”. Os pesquisadores, portanto, investigaram os principais aspectos do uso, como os tipos de impressoras 3D e softwares usados, o número de unidades disponíveis em ambientes odontológicos e a acessibilidade e o custo da tecnologia para os profissionais de odontologia.

Eles descobriram que os entrevistados usaram principalmente suas impressoras 3D para criar modelos para projetar próteses. O segundo uso mais comum foi na área de ortodontia, seguido pela criação de modelos de gesso seccional, guias cirúrgicos, ceras moldáveis ​​e talas. Na extremidade inferior do espectro de uso, os profissionais de odontologia usaram a tecnologia para criar restaurações como pontes dentárias, coroas, inlays e restaurações permanentes.

A maioria (63,3%) dos entrevistados disse que os modelos impressos em 3D eram mais precisos do que aqueles feitos usando técnicas de modelo fundido. A maioria dos entrevistados (72,5%) disse que usava seu dispositivo de impressão pelo menos a cada dois dias e 92,5% o usava pelo menos uma vez por semana. Mais de um quarto (25,8%) dos entrevistados usavam mais de 20 l de material de impressão aditiva todos os anos e 55,0% disseram que gastaram US$ 5.000 (€ 4.500) ou menos em seu dispositivo de impressão.

As impressoras 3D mais comuns de propriedade dos entrevistados foram as fabricadas pela Formlabs, NextDent e Asiga, e os três principais critérios que os entrevistados procuraram ao escolher uma impressora 3D foram precisão, preço e recomendações. No que diz respeito à satisfação com o potencial de sua impressora 3D, os entrevistados ficaram mais satisfeitos com os dispositivos fabricados pela Asiga e NextDent. No tópico de preço e material, os dispositivos fabricados pela Anycubic tiveram a pontuação mais alta. Quando se trata de velocidade, os usuários de dispositivos NextDent foram os mais satisfeitos. Apenas três entrevistados disseram estar insatisfeitos com o dispositivo.

Uma das descobertas surpreendentes da pesquisa foi que apenas 51,7% dos entrevistados receberam treinamento sobre como usar sua impressora 3D do fabricante do dispositivo

Para processos CAD, o software mais utilizado foi o exocad, seguido pelos do Meshmixer e 3Shape. Os entrevistados usavam scanners intraorais quase com a mesma frequência com que usavam seus dispositivos de impressão 3D, e as duas tecnologias eram frequentemente usadas juntas. Entre os scanners intraorais utilizados pelo grupo amostral, os da 3Shape foram os mais preferidos, seguidos pelos da Medit, Dentsply Sirona, Align Technology e Planmeca.

Uma das descobertas surpreendentes da pesquisa foi que apenas 51,7% dos entrevistados receberam treinamento sobre como usar sua impressora 3D do fabricante do dispositivo, e destacou-se que a maioria dos entrevistados não conseguiu se familiarizar com a impressão 3D durante o curso odontológico. Educação. Sobre se tornar adepto da tecnologia, os pesquisadores observaram que a mídia social foi uma fonte significativa de informações, resolução de problemas e oportunidades de networking relacionadas à impressão 3D na odontologia. Eles escreveram: “A mídia social é essencial. Atualmente, está tendo um impacto significativo no setor de saúde e também é uma excelente ferramenta para ajudar os especialistas a trocar experiências e conhecimentos. Além disso, se alguém precisar de ajuda, parece ser um método mais rápido para recebê-lo do que o sistema de suporte oficial.”

Constatou-se que os dentistas recém-formados e os dentistas mais jovens enfrentaram menos obstáculos técnicos ao adotar a tecnologia. Os pesquisadores escreveram: “Eles aprendem as etapas críticas do tratamento odontológico digital durante sua educação, incluindo tomada de impressão digital, escaneamento intraoral e fabricação aditiva. Essa nova geração de dentistas tem um enorme potencial para desenvolver a odontologia digital. O processo de trabalho e a experiência do paciente podem ser criados juntos, pois o paciente pode acompanhar todo o tratamento por meio de ferramentas odontológicas digitais.”

O estudo identificou fatores ambientais relacionados à manufatura aditiva como uma preocupação na comunidade odontológica. Eles disseram que havia uma falta de estudos que investigassem a pegada ecológica completa dos fluxos de trabalho odontológicos digitais, incluindo o ciclo de vida completo dos processos de manufatura aditiva, em comparação com tecnologias odontológicas mais tradicionais.

As descobertas foram baseadas em uma pesquisa on-line realizada entre 1º de janeiro de 2020 e 1º de janeiro de 2021 e concluída por 120 profissionais de odontologia de 20 países. Esta amostra foi composta por 68 dentistas, 29 técnicos de prótese dentária e 23 especialistas em CAD/CAM que estavam baseados principalmente na Hungria (23,7%), nos EUA (18,4%) e no Reino Unido (7,9%). A maioria dos entrevistados possuía uma impressora 3D e os participantes do estudo, em média, tinham mais de três anos e meio de experiência no uso da tecnologia.

O estudo, intitulado “User experience and sustainability of 3D printing in dentistry”, foi publicado on-line em 9 de fevereiro de 2022 no International Journal of Environmental Research and Public Health.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

advertisement