Dental Tribune Brazil

Estudo revisa medidas preventivas de transmissão de SARS-CoV-2 na Itália

PISA, Itália: De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a Itália tinha 225.435 casos confirmados de SARS-CoV-2 e 31.908 mortes associadas em 19 de maio de 2020. Isso fez da Itália o país com o segundo maior número de casos na Europa e um dos mais severamente afetado no mundo. Uma equipe de pesquisadores italianos agora revisou estudos sobre medidas preventivas para limitar a transmissão do SARS-CoV-2 em consultórios odontológicos.

Vários artigos publicados nas últimas semanas mostraram que os profissionais de odontologia correm alto risco de infecção devido à exposição de saliva, sangue e produção de aerosol durante a maioria dos procedimentos odontológicos, sendo o SARS-CoV-2 um vírus aéreo altamente contagioso. O estudo de revisão divulgado recentemente, realizado por pesquisadores da Universidade de Pisa, na Itália, visa conscientizar sobre os riscos potenciais da transmissão do SARS-CoV-2 em consultórios odontológicos e relatórios sobre medidas de controle de infecção. Com base nos resultados da revisão, discute e recomenda medidas preventivas, como as adotadas na Itália para limitar o contágio.

As principais medidas preventivas identificadas foram triagem de pacientes, prescrição de enxaguatórios bucais antes do tratamento odontológico, higiene das mãos, equipamentos de proteção individual para dentistas, limitação dos procedimentos de produção de aerossóis e limpeza de superfícies potencialmente contaminadas. Essas medidas estão de acordo com as sugestões da Federação Europeia de Periodontologia para o gerenciamento de uma clínica odontológica para limitar a transmissão.

Em todo o mundo, os dentistas foram aconselhados e, em alguns países, obrigados a limitar suas atividades a tratamentos de emergência e a adiar exames de rotina e procedimentos por puramente estéticos, tanto quanto possível. Em uma entrevista ao Dental Tribune International, professor de Periodontologia da Universidade de Pisa e co-autor do estudo, Filippo Graziani explicou que a Itália está lenta mas seguramente levantando as restrições nesse sentido e que todas as partes estão trabalhando para restabelecer um rotina um pouco normal. No entanto, como será a nova realidade para dentistas e pacientes é apenas uma adivinhação.

No momento, os dentistas do país estão usando o máximo de equipamentos de proteção individual, como máscaras, óculos, roupas de proteção e/ou protetores faciais. Isso pode ter um efeito psicológico negativo sobre ansiedade em pacientes pediátricos ou geriátricos, que podem sofrer potencialmente devido à falta de contato humano e à criação de distância do dentista. Por mais que Graziani queira que as clínicas odontológicas retornem à normalidade o mais rápido possível, ele explicou que algumas das medidas de proteção (como protetores faciais) podem estar aqui para ficar.

Questionado se, no início, poderia ter sido feito mais para limitar a propagação do vírus, ele disse: “Mais sempre poderia ter sido feito. Esse vírus letal chegou tão rápido e era tão complexo de se ajustar que todos fizeram apenas o seu melhor. Os dentistas prestaram apoio substancial à população, e seu foco definitivamente foi o atendimento à comunidade, não os negócios”. Graziani concluiu enfatizando a importância da paciência, uma vez que mais pesquisas estão sendo realizadas e os resultados divulgados todos os dias.

O estudo, intitulado “COVID-19 transmission in dental practice: Brief review of preventive measures in Italy”, foi publicado no Journal of Dental Research em 17 de abril de 2020, antes da inclusão em uma edição.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Latest Issues
E-paper

DT Brazil No. 3, 2015

Open PDF Open E-paper All E-papers

© 2020 - All rights reserved - Dental Tribune International