Dental Tribune Brazil
A Organização Mundial da Saúde reconheceu que as evidências da transmissão aérea do SARS-CoV-2 estão surgindo, mas afirma que mais pesquisas são necessárias. (Imagem: MIA Studio/Shutterstock)

Os cientistas dizem que o SARS-CoV-2 está se espalhando por meio de transmissão aérea

By Jeremy Booth, Dental Tribune International
September 03, 2020

GENEBRA, Suíça: Quando se trata de patógenos transportados pelo ar, o tamanho é importante. Os cientistas escreveram uma carta aberta incitando a Organização Mundial da Saúde (OMS) a reconhecer que o SARS-CoV-2 pode se espalhar através de microgotículas que são pequenas o suficiente para permanecer no ar por longos períodos. A OMS respondeu reconhecendo que as evidências de transmissão aerotransportada estão surgindo, mas não conseguiu mudar sua orientação ou reconhecer o potencial de transmissão aerotransportada fora de hospitais e consultórios odontológicos.

A carta, assinada por 239 cientistas e engenheiros de 32 países, citou evidências emergentes de transmissão aérea. Há todos os motivos para esperar que o SARS-CoV-2 possa ser transmitido por aerossóis, argumentaram os cientistas. Anteriormente, a OMS só reconhecia a possibilidade de transmissão aérea onde procedimentos geradores de aerossol são realizados, como em hospitais e clínicas odontológicas.

A orientação atual da OMS concentra-se nas precauções que inibem a propagação do vírus por meio do contato próximo com pessoas infectadas, por meio de gotículas respiratórias maiores contendo patógenos e pelo contato com superfícies infectadas. Os cientistas argumentaram, no entanto, que essa orientação era insuficiente para proteger as pessoas de serem infectadas pelo SARS-CoV-2 por meio de microgotículas transportadoras pelo ar.

A carta dizia: “Entende-se que ainda não existe uma aceitação universal da transmissão aérea do SARS-CoV-2; mas em nossa avaliação coletiva há evidências de apoio mais do que suficientes para que o princípio da precaução seja aplicado. Para controlar a pandemia, enquanto se aguarda a disponibilidade de uma vacina, todas as vias de transmissão devem ser interrompidas.”

Os autores continuaram: “Estamos preocupados que a falta de reconhecimento do risco de transmissão aérea do COVID-19 e a falta de recomendações claras sobre as medidas de controle contra o vírus transportado pelo ar terão consequências significativas [...] Este assunto é de grande importância agora, quando os países estão reabrindo após lockdowns.”

Os autores recomendaram que as seguintes medidas sejam tomadas a fim de atenuar o risco representado pela transmissão aérea:

  • Fornecer ventilação suficiente e eficaz (forneça ar externo limpo e minimize a recirculação de ar), especialmente em prédios públicos, ambientes de trabalho, escolas, hospitais e lares de idosos.
  • Complementar a ventilação geral com controles de infecções transmitidas pelo ar, como exaustor local, filtragem de ar de alta eficiência e lâmpadas ultravioleta germicidas.
  • Evite a superlotação, principalmente em transportes públicos e edifícios públicos.

Funcionários da OMS admitiram que as evidências de transmissão aérea estavam surgindo, mas alertaram que as evidências requerem uma avaliação mais detalhada. O órgão de saúde divulgou orientações atualizadas sobre o papel das gotículas transportadas pelo ar na transmissão do SARS-CoV-2 em 9 de julho, no qual se afirmava: “São necessários mais estudos para determinar se é possível detectar SARS-CoV-2 em amostras de ar de ambientes onde nenhum procedimento que gere aerossóis é realizado, e qual o papel que os aerossóis podem desempenhar na transmissão.”

SARS-CoV-2: O grande problema com pequenas partículas

O tamanho das partículas é o fator mais importante na determinação do comportamento do aerossol, de acordo com uma revisão da literatura científica sobre aerossóis gerados por indivíduos com infecções respiratórias pelo Dr. Kevin P. Fennelly, publicada on-line em 24 de julho de 2020 na Lancet Respiratory Medicine.

A análise apontou que as políticas tradicionais de controle de infecção baseiam-se na premissa de que as infecções respiratórias são transmitidas por gotículas contendo patógenos maiores que 5 µm. A transmissão aérea está associada a partículas menores a 5 μm de tamanho. Diferentemente das gotículas maiores que são geradas pela tosse ou espirro, as partículas menores são geradas pela fala ou pela respiração exalada, pois são imediatamente respiráveis e permanecem suspensas no ar por um período mais longo, viajando por distâncias maiores. Até agora, pensava-se que a transmissão aérea ocorria apenas para tuberculose e um pequeno número de outros patógenos.

Fennelly descobriu que “os aerossóis infecciosos de humanos existem em uma ampla gama de tamanhos de partículas que são surpreendentemente consistentes em estudos, métodos e patógenos”. Ele declarou: “Não há evidências para apoiar o conceito de que a maioria das infecções respiratórias está associada principalmente à transmissão de gotículas grandes. Na verdade, aerossóis de partículas pequenas são a regra, e não a exceção, ao contrário das diretrizes atuais.”

A análise concluiu que os dados estão se acumulando, o que mostra que o SARS-CoV-2 é transmitido por aerossóis de partículas pequenas e grandes. Esses dados, descobriu Fennelly, apoiam as chamadas para o reconhecimento da transmissão por aerossol do SARS-CoV-2 e o uso de controles ambientais, como a desinfecção do ar em ambientes congregados.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Latest Issues
E-paper

DT Brazil No. 3, 2015

Open PDF Open E-paper All E-papers

© 2020 - All rights reserved - Dental Tribune International