DT News - Brazil - Estudo constata níveis preocupantes de estigma relacionado ao HIV/Aids em equipes odontológicas paquistanesas

Search Dental Tribune

Estudo constata níveis preocupantes de estigma relacionado ao HIV/Aids em equipes odontológicas paquistanesas

O Dr. Beenish Rana, autor principal de um estudo sobre o estigma relacionado com o VIH entre profissionais de medicina dentária no Paquistão, afirma que a relutância em tratar pacientes seropositivos “alimenta as disparidades de saúde existentes e agrava as desigualdades no acesso e nos resultados dos cuidados de saúde”. (Imagem: Confidencial Vermelho/Shutterstock)

ISLAMABAD, Paquistão: O número de pessoas com VIH/SIDA no Paquistão aumentou dramaticamente nos últimos anos, e a classificação da prevalência do VIH/SIDA no país do Sul da Ásia passou de baixa para uma epidemia concentrada nas principais cidades paquistanesas. No primeiro estudo para investigar o conhecimento, o estigma e as práticas de cuidados relacionados com o VIH/SIDA entre os prestadores de cuidados de saúde dentários no Paquistão, os investigadores identificaram deficiências no conhecimento e na prática profissional e um estigma desenfreado exibido pelas equipas dentárias em ambientes dentários públicos e privados.

O estudo envolveu entrevistas com 601 profissionais de odontologia representando 200 clínicas odontológicas. A população amostral tinha idade média de 31,8 anos, era composta por 59,1% de homens e era composta por 64,8% de dentistas, 15,0% de auxiliares de consultório dentário e 20,5% de higienistas dentais. Todos, exceto 10,8% dos entrevistados, foram treinados no Paquistão.

Na área do conhecimento, os pesquisadores constataram que apenas 17,1% dos entrevistados receberam treinamento formal relacionado ao HIV/Aids e que muitos tinham ideias erradas sobre as vias de transmissão do vírus. Beijar, abraçar e tocar, e comer e beber com pessoas com HIV/Aids foram relatados como vias de transmissão por 38,3% e 34,4% dos entrevistados, respectivamente. A grande maioria (95%) considerou-se em risco de adquirir o VIH de um paciente, apesar das precauções clínicas, e 89% disseram que hesitaria em tratar pacientes seropositivos. Em relação à prática profissional, quase a totalidade dos entrevistados (97,5%) afirmou que pularia uma ou mais etapas do tratamento ao prestar cuidados bucais a pacientes com HIV/Aids, e 91,2% afirmaram que manteriam os pacientes com HIV/Aids separados dos demais pacientes.

Embora o estigma fosse evidente em toda a população da amostra, os dentistas apresentaram níveis mais elevados de estigma, e os entrevistados que trabalham em hospitais e clínicas privadas apresentaram níveis mais elevados de estigma do que aqueles em ambientes públicos de cuidados bucais.

Um total de 61,8% dos entrevistados concordou que as pessoas com HIV/Aids deveriam ter vergonha de si mesmas, 96% acreditavam que as pessoas com HIV/Aids não se importam se infectam outras pessoas, 76,6% acreditavam que as pessoas com HIV/Aids têm múltiplos parceiros sexuais e apenas 29,1% acreditavam que os pacientes com HIV/Aids deveriam ser tratados de forma semelhante às pessoas com outras doenças. A maioria dos entrevistados disse preferir não tratar homens que fazem sexo com homens (55,2%) ou mulheres profissionais do sexo (57,4%).

O líder do estudo, Dr. Beenish Rana, da Academia de Serviços de Saúde em Islamabad, disse ao Dental Tribune International: “Esta relutância dos prestadores de cuidados de saúde em tratar estes pacientes alimenta as disparidades de saúde existentes e agrava as desigualdades no acesso e nos resultados dos cuidados de saúde, particularmente relacionados com a gestão de doenças sexualmente transmissíveis. infecções como o HIV.”

Ela continuou: “A ausência de formação específica sobre como lidar com pessoas que vivem com VIH/SIDA entre os prestadores de cuidados de saúde dentária no Paquistão levou a uma dependência de estereótipos e suposições. Ao contrário de muitos países vizinhos, o currículo médico habitual no Paquistão não incorpora formação sobre questões relacionadas com o VIH/SIDA, contribuindo para a prevalência de estereótipos negativos entre os prestadores de cuidados de saúde.”

O impacto do estigma relacionado com o VIH/SIDA

De acordo com a Dra. Rana, a prevalência historicamente baixa do VIH/SIDA no Paquistão levou à falta de atenção por parte das autoridades de saúde e dos decisores políticos, resultando numa escassez de iniciativas educativas e num apoio institucional limitado aos prestadores de cuidados de saúde dentária e, em última análise, perpetuando estereótipos negativos e impedindo a prestação de cuidados bucais; no entanto, ela disse que a equipe de pesquisa ficou surpresa com a extensão dos equívocos entre a população do estudo.

“Ao contrário de muitos países vizinhos, o currículo médico habitual no Paquistão não incorpora formação sobre questões relacionadas com o VIH/SIDA.”

“O estudo, sendo o primeiro deste tipo no Paquistão entre prestadores de cuidados dentários, revelou uma prevalência surpreendentemente elevada de estigma relacionado com o VIH/SIDA em várias instalações de cuidados dentários no Território da Capital Islamabad”, disse o Dr. Rana. Ela comentou que a atitude discriminatória demonstrada em relação aos pacientes com VIH/SIDA não só prejudica a qualidade dos cuidados, mas também promove a auto-estigmatização entre estes pacientes. “Está auto-estigmatização, por sua vez, tem efeitos profundos e prejudiciais na sua saúde mental, na adesão ao tratamento e na qualidade de vida geral. Quando os prestadores de cuidados de saúde nutrem conceitos e julgamentos errados sobre o VIH/SIDA, cria-se um ambiente que não só dificulta a comunicação aberta entre prestadores de cuidados de saúde e pacientes, mas também instila medo e hesitação nas pessoas que vivem com o vírus.”

“O impacto deste estigma vai além das interações imediatas com os cuidados de saúde. As pessoas que vivem com VIH/SIDA podem ver-se obrigadas a ocultar o seu estatuto serológico ou a fornecer informações falsas para evitar julgamento e discriminação. Tal comportamento não só põe em risco o seu acesso a cuidados de saúde adequados, mas também aumenta o risco de propagação da infecção devido à falta de transparência nos históricos médicos”, explicou ela.

“Abordar e desmantelar estes estigmas profundamente enraizados nos ambientes de saúde é crucial não só para o bem-estar das pessoas que vivem com VIH/SIDA, mas também para promover um ambiente de saúde inclusivo e compassivo que promova a saúde geral e a dignidade de cada indivíduo”, disse o Dr. concluiu Rana.

Estima-se que cerca de 183.000 pessoas no Paquistão tenham VIH/SIDA em 2020. O número de pessoas com VIH/SIDA a nível mundial era de 39,0 milhões em 2022, em comparação com 26,6 milhões em 2000, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

O estudo, “A cross-sectional study to assess HIV/AIDS-related stigma and its drivers among dental healthcare providers in Islamabad, Pakistan”, foi publicado online em 9 de outubro de 2023 na revista de acesso aberto Cureus.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

advertisement
advertisement