Dental Tribune Brazil

Entrevista: “Não jogue o jogo da culpa”

By Franziska Beier, Dental Tribune International
November 08, 2021

O Dr. Gary Glassman, um endodontista que mantém um consultório particular - Endodontic Specialists - em Toronto, Canadá, forneceu ao Dental Tribune (DTI) um editorial sobre desventuras em endodontia. O DTI queria explorar mais o tópico e falou com Glassman sobre por que é tão importante que os profissionais de Odontologia compartilhem suas falhas uns com os outros e como mudar a maneira como vemos o fracasso pode promover o desenvolvimento profissional.

Dr. Glassman, em seu editorial, você descreve que os profissionais da Odontologia se comportam como um avestruz quando ocorre um erro - eles enterram a cabeça na proverbial areia e esperam que o problema desapareça. Você tem algum conselho para seus colegas sobre como lidar com essa situação?
Errar é uma das consequências mais temidas da Odontologia. Pode ser opressor, e seu primeiro instinto provavelmente será voar. No entanto, todos sabemos que fugir nunca é uma boa maneira de enfrentar um problema. Portanto, eu diria que você deveria primeiro parar e se dar alguns minutos para respirar. Em seguida, pense sobre qual é o erro e, em vez de insistir nele, avalie como você pode corrigi-lo. Não jogue o jogo da culpa. Assuma a responsabilidade e permita-se corrigir o erro. Cometer um erro dentário e depois lidar com ele pode ser uma experiência humilhante. A comunicação com seus pacientes e com sua equipe, parceiros ou colegas também é muito importante. Não tenha medo de pedir ajuda em uma situação desafiadora. Lembre-se de que todos cometem erros. Somos todos humanos.

Você também diz que seria útil ter uma página no Instagram dedicada a tratamentos dentários fracassados, para que os profissionais da Odontologia pudessem aprender uns com os outros. Você faria a gentileza de dar um bom exemplo, compartilhando alguns de seus maiores erros e explicando como você lidou com eles?
Com o passar dos anos, especialmente nos primeiros anos de prática, separei instrumentos, perfurei pisos de câmaras pulpares e transportei ápices. Nos últimos anos, foram desenvolvidas tecnologias que permitem resultados mais previsíveis, mas então, toda vez que ocorria um acidente de procedimento, eu fazia pequenas alterações em minha técnica que ajudaram a evitar que o mesmo incidente ocorresse novamente. A chave para o sucesso é explicar ao paciente o que ocorreu, especialmente se afetará um resultado positivo e, claro, aprender com o erro e, com sorte, nunca mais permitir que ele ocorra novamente ou, pelo menos, minimizar sua ocorrência.

“Cometer um erro dentário e depois lidar com ele pode ser uma experiência humilhante”

Você diz que é crucial que os médicos compartilhem suas falhas. Como você incentivaria os profissionais de Odontologia a fazer isso?
Eu os encorajaria a fazer as perguntas para as quais eles não têm respostas - talvez mantenha um bate-papo em grupo com outros dentistas e colegas. É muito importante que os dentistas compartilhem as falhas para evitar que os mesmos erros ocorram continuamente. Acho que realmente precisa haver mais comunicação nessa área da Odontologia. Ser franco sobre coisas que deram errado abre a porta para receber dicas ou sugestões de outro dentista que cometeu o mesmo erro ou um erro semelhante no passado.

Em seu editorial, você afirma que “precisamos reformular as lentes com as quais vemos o fracasso”. Você diria que os erros o ajudaram em sua carreira profissional e, se sim, como?
Definitivamente, usei meus erros para me ajudar em minha carreira. Em primeiro lugar, aprendi a reformular minha perspectiva e a mudar a palavra “fracasso” para significar feedback. Além disso, digo a mim mesma que não estou fracassando porque estou fazendo um trabalho pelo qual sou apaixonado. Na verdade, o fracasso é apenas uma grande oportunidade de se tornar melhor em alguma coisa. É um ótimo momento para aprender algo com alguém que admiro. É por isso que não hesito em estender a mão para outras pessoas em minha área. Também aprendi a ser grato por meus erros. As falhas não precisam ser transformadas em algo negativo. Agir depois de cometer um erro é um dos grandes privilégios da vida porque o leva mais longe em direção aos seus objetivos.

Gostaria de encerrar com duas citações que considero muito adequadas a este tópico.
Thomas Edison disse: “Não falhei 10.000 vezes. Eu encontrei com sucesso 10.000 maneiras que não funcionaram!”
E como disse Nietzsche: “O que não te mata, te torna mais forte”!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

© 2021 - All rights reserved - Dental Tribune International