Dental Tribune Brazil

Droga botânica contendo curcumina ajuda a combater cânceres orais e orofaríngeos

LOS ANGELES, EUA: Em um estudo recente, os pesquisadores examinaram o efeito que o APG-157, um medicamento à base de plantas botânicas que contém curcumina e foi desenvolvido sob a Administração de Alimentos e Drogas dos EUA em Desenvolvimento de Drogas Botânicas: Guia para a Indústria, tem sobre pacientes com câncer de cabeça. Os resultados mostraram que o medicamento ajuda os pacientes a combater cânceres orais e orofaríngeos, reduzindo a concentração de citocinas na saliva e pode servir como medicamento terapêutico em combinação com imunoterapia.

Segundo o Cancer.Net, os cânceres de cabeça e pescoço são responsáveis ​​por aproximadamente 4% de todos os cânceres e estima-se que 650.000 novos casos serão relatados este ano. Como as opções atuais de tratamento, como cirurgia, radiação e quimioterapia, costumam causar efeitos adversos, existe uma forte necessidade de novas terapias de baixa toxicidade para o tratamento eficaz de pacientes com câncer.

A curcumina é uma droga medicamente ativa. Devido às suas propriedades antioxidantes e sua capacidade de reduzir o inchaço e a inflamação, comprovou-se que a curcumina ajuda a combater vários cânceres. Quando tomado por via oral, o medicamento é pouco absorvido pela corrente sanguínea. No entanto, um estudo recente descobriu que, quando o APG-157 era administrado por absorção da mucosa oral, os níveis de curcumina circulando no sangue eram altos e acabavam sendo absorvidos pelo tecido cancerígeno.

No estudo, pesquisadores da Universidade da Califórnia, Los Angeles Jonsson Comprehensive Cancer Center compararam o efeito do APG-157 em 12 participantes que tiveram câncer de boca e orofaringe com um grupo controle de 13 participantes que não tiveram câncer. O medicamento foi administrado a cada hora, durante 3 horas, e os pesquisadores coletaram amostras de sangue e saliva antes de administrar o medicamento e 24 horas após a última dosagem.  

Os pesquisadores descobriram que a terapia foi bem-sucedida na redução da abundância relativa de espécies Bacteroides, um grupo de bactérias Gram-negativas associadas ao câncer de boca. Além disso, o APG-157 ajudou a atrair células T do sistema imunológico para a área do tumor. Isso sugere que, quando usada em combinação com medicamentos de imunoterapia, a terapia pode ajudar as células T do sistema imunológico a reconhecer e matar tumores. Uma vez que tem o potencial de impedir o crescimento de espécies Bacteroides, os pesquisadores acreditam que o APG-157 também poderia melhorar a terapia do câncer por meio de alterações microbianas orais.

“É provável que os profissionais de odontologia sejam os primeiros a identificar lesões suspeitas na cavidade oral, e isso fornece um mecanismo valioso para a triagem. O tratamento para o câncer bucal é muito mais bem sucedido quando o câncer é diagnosticado em estágio inicial; portanto, os profissionais de odontologia são essenciais para o diagnóstico precoce do câncer de boca”, disse a coautora Dra. Marilene Wang ao Dental Tribune International.

Os pesquisadores agora estão planejando um estudo de fase 2 do APG-157, no qual estudarão o efeito do medicamento quando administrados a longo prazo e a um número maior de pacientes com câncer bucal. Eles levantam a hipótese de que o APG-157 será capaz de suprimir o crescimento do câncer de boca. 

O estudo, intitulado "Um estudo randomizado, fase 1, controlado por placebo, do APG-157 em câncer bucal demonstra absorção sistêmica e um efeito inibitório em citocinas e micróbios associados a tumores", foi publicado on-line em 5 de fevereiro de 2020, em Cancer, antes da inclusão em uma edição.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

© 2020 - All rights reserved - Dental Tribune International