Search Dental Tribune

Quão ocupados estiveram os dentistas dos EUA em janeiro?

E-Newsletter

The latest news in dentistry free of charge.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.
Em média, os dentistas dos EUA trabalharam com 77% de sua capacidade de agendamento de consultas em meados de janeiro e os protocolos de segurança do COVID-19 não foram o principal fator que os impediu de atender mais pacientes. (Imagem: Gemenacom/Shutterstock)

CHICAGO, EUA: Em meados de janeiro, a agenda média de consultas das clínicas odontológicas dos EUA estava em 77% da capacidade. O principal fator que contribuiu para evitar uma agenda mais cheia foi o número de cancelamentos de pacientes, seguido pela falta de pacientes e dificuldade em preencher cargos vagos, de acordo com uma nova pesquisa do Instituto de Políticas de Saúde (HPI- sigla em inglês) da Associação Dentária Americana.

O HPI realiza uma pesquisa mensal para medir as perspectivas econômicas dos dentistas dos EUA durante a pandemia do COVID-19 e para reconhecer e avaliar problemas emergentes no setor. Em janeiro, seu relatório especializado concentrou-se em quão ocupados os dentistas estiveram na semana de 10 a 16 de janeiro e em quais fatores impediram aqueles sem agenda cheia de atender mais pacientes.

Em média, os dentistas trabalharam a 77% de sua capacidade de agendamento de consultas no período. Por especialidade, os cirurgiões bucomaxilofaciais tiveram o maior percentual médio de consultas preenchidas (84,1%), seguidos por periodontistas (82,5%) e protesistas (80,3%). Os odontopediatras relataram a porcentagem média mais baixa (73,5%) e os dentistas generalistas relataram uma porcentagem média de 76,7%. Com uma média de 85,1% de consultas preenchidas, os dentistas em serviços públicos de saúde estavam mais ocupados do que seus colegas em consultórios particulares.

O número de cancelamentos de pacientes foi de longe o fator mais citado entre todas as especialidades odontológicas

Quando perguntados sobre quais fatores impediram que suas agendas fossem preenchidas, apenas 28,6% dos dentistas gerais em consultórios particulares listaram os protocolos de segurança do COVID-19. Cancelamentos de pacientes, no entanto, foram mencionados por 90,6%, e a falta de agendamento de pacientes foi mencionada por 37,6%. Para 32,2% dos entrevistados, a dificuldade para preencher os cargos vagos foi um fator que impediu uma agenda mais cheia.

O número de cancelamentos de pacientes foi de longe o fator mais citado entre todas as especialidades odontológicas - e foi mencionado por 85,7% dos cirurgiões bucomaxilofaciais, 82,6% dos endodontistas, 81,8% dos ortodontistas, 90,8% dos odontopediatras, 93,8% dos periodontistas e 87,5% dos protesistas.

Os resultados dos dentistas que atuam em serviços públicos de saúde não foram discriminados por especialidade, e 82,5% desses dentistas disseram que os cancelamentos de pacientes contribuíram para o esvaziamento dos horários.

O HPI começou a realizar a pesquisa mensal Economic Outlook and Emerging Issues in Dentistry (Perspectivas Econômicas e Questões Emergentes em Odontologia) em janeiro de 2022. Anteriormente, havia realizado a pesquisa mensal COVID-19 Economic Impact on Dental Practices (Impacto econômico do COVID-19 nas práticas odontológicas), com início em março de 2020 e término em dezembro de 2021. A pesquisa especializada, da qual o resultados relatados neste artigo foram tomadas, fez parte da primeira onda da nova enquete. Ele recebeu respostas de 1.860 dentistas nos Estados Unidos e pode ser acessado aqui.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *