Dental Tribune Brazil

Pesquisadores relacionam ameba à periodontite grave

BERLIM, Alemanha: Pela primeira vez, pesquisadores da Charité - Universitätsmedizin Berlin mostraram que a ameba "Entamoeba gingivalis", comumente encontrada na cavidade bucal, desempenha um papel importante na inflamação tecidual e na destruição tecidual. Uma vez que o parasita invade o tecido gengival, ele se alimenta de suas células e causa destruição do tecido. De acordo com os achados do estudo, a maioria dos pacientes com periodontite grave e recorrente mostrou uma presença aumentada do organismo unicelular em suas cavidades orais.

Na Alemanha, aproximadamente 15% das pessoas são afetadas particularmente por uma forma grave de periodontite. A doença tem uma forte associação com artrite, doença cardiovascular e câncer. Em pacientes com doença gengival, uma diminuição na diversidade da flora oral coincide com um aumento na presença da E. gingivalis.

Os cientistas estão cientes do potencial de virulência desse gênero de amebas. O parasita gastrointestinal Entamoeba histolytica, por exemplo, causa uma doença conhecida como amebíase, uma das causas mais comuns de morte por doenças parasitárias em todo o mundo. “Mostramos que uma ameba como E. gingivalis, que coloniza a cavidade oral, invadirá a mucosa oral e destruirá o tecido gengival. Isso permite que um número crescente de bactérias invada o tecido hospedeiro, o que agrava ainda mais a inflamação e a destruição dos tecidos”, disse a pesquisadora principal, Prof. Arne Schäfer, chefe do departamento de pesquisa do Departamento de Periodontologia e Odontologia Sinóptica do Instituto de Ciências Dentárias e Craniofaciais em Charité.

Os pesquisadores são os primeiros a descrever o papel preciso da E. gingivalis na patogênese da inflamação. Durante a análise das bolsas periodontais inflamadas, eles detectaram evidências da ameba em aproximadamente 80% dos pacientes com periodontite, mas em apenas 15% do grupo controle. Observações revelaram que, após invadir as gengivas, os parasitas migram para dentro do tecido, alimentando-se e matando as células hospedeiras. Experimentos em cultura de células mostraram que a infecção por E. gingivalis diminui a taxa de crescimento das células, levando à morte celular.

Os pesquisadores concluíram que o papel da ameba na inflamação mostra paralelos distintos com a patogênese da amebíase. "A E. gingivalis contribui ativamente para a destruição das células no interior do tecido gengival e estimula os mesmos mecanismos de resposta imune do hospedeiro como a E. histolytica durante a invasão da mucosa intestinal ”, explicou Schäfer. “Esse parasita, que é transmitido por uma simples infecção por gotículas, é uma causa potencial de inflamação oral grave”.

O sucesso do tratamento geralmente dura pouco em pacientes com periodontite. Isso pode ser devido ao alto potencial de virulência dessa ameba anteriormente despercebida, mas ainda extremamente comum. "Identificamos um parasita infeccioso cuja eliminação poderia melhorar a eficácia e resultados a longo prazo do tratamento em pacientes com doença gengival", disse Schäfer. "Os conceitos atuais de tratamento para periodontite não consideram a possibilidade de infecção por esse parasita ou sua eliminação bem-sucedida", acrescentou. Um ensaio clínico para determinar até que ponto a eliminação dessa ameba pode melhorar os resultados do tratamento em pacientes com periodontite está em andamento.

O estudo, intitulado "Entamoeba gingivalis causes oral inflammation and tissue destruction", foi publicado on-line em 5 de fevereiro de 2020 no Journal of Dental Research, antes da inclusão em uma edição.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

© 2021 - All rights reserved - Dental Tribune International