DT News - Brazil - Pesquisadores descobrem pigmentos de lápis-lazúli na mandíbula da mulher medieval

Search Dental Tribune

Pesquisadores descobrem pigmentos de lápis-lazúli na mandíbula da mulher medieval

A mandíbula inferior com pigmento de lápis-lazúli preso foi descoberta em Dalheim na Alemanha. (Foto: Christina Warinner)

seg. 21 janeiro 2019

guardar

JENA, Alemanha: Em uma descoberta empolgante que pode ajudar a mudar a forma como vemos a história medieval, os pesquisadores encontraram vestígios de pedra lapis lazuli no cálculo dentário de uma mulher enterrada em um complexo mosteiro-igreja do século IX ao XIV na Alemanha. Esta evidência sugere que ela era uma talentosa pintora de manuscritos iluminados, desafiando as crenças anteriores sobre o papel das mulheres durante este tempo.

Na Europa Medieval, o lápis-lazúli era tão raro e caro quanto o ouro. A descoberta de traços do pigmento azul preservado na placa dentária foi feita por pesquisadores do Max Planck Institute para a Science of Human History em Jena e pela Universidade de York, no Reino Unido, e acrescenta um crescente corpo de evidências que freiras na Europa medieval não eram apenas alfabetizadas, mas também envolvidas na produção de livros.

Para identificar a coloração azul presa na placa dentária da mulher, os cientistas usaram uma variedade de técnicas de microscopia de luz e eletrônica, bem como espectroscopia, incluindo uma técnica chamada espectroscopia Raman, que oferece um meio não destrutivo de caracterizar pigmentos minerais e outros materiais com alta precisão usando o espalhamento da luz laser. "Foi uma surpresa completa - quando o cálculo se dissolveu, ele liberou centenas de minúsculas partículas azuis", disse a co-primeira autora, Anita Radini , pesquisadora do Wellcome Trust Research Fellow in Medical Humanities da Universidade de York.

"Aqui temos evidências diretas de uma mulher, não apenas de pintura, mas de pintura com um pigmento muito raro e caro, e em um lugar muito afastado", explicou a autora sênior do artigo, Profa. Christina Warinner, do Max Planck Institute. “A história dessa mulher poderia ter permanecido escondida para sempre sem o uso dessas técnicas. Isso me faz pensar em quantos outros artistas poderíamos encontrar em cemitérios medievais - se apenas olharmos.

O estudo, intitulado “Envolvimento precoce das mulheres medievais na produção de manuscritos sugerido pela identificação de lápis-lazúli em cálculo dentário”, foi publicado em 9 de janeiro de 2019 na Science Advances.

advertisement
advertisement