Pesquisadores descobrem método para controlar o desenvolvimento radicular

Search Dental Tribune

Pesquisadores descobrem método para controlar o desenvolvimento radicular

E-Newsletter

The latest news in dentistry free of charge.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.
Um novo estudo descobriu que a regulação epigenética pode controlar o desenvolvimento e o padrão radicular nos dentes. (Fotografia: Africa Studio / Shutterstock)

sex. 30 agosto 2019

save

LOS ANGELES, EUA / SICHUAN, China: Embora a pesquisa genética tenha se tornado cada vez mais relevante nos campos da medicina e da biologia, ela permaneceu relativamente intocada no que diz respeito à odontologia. Em um desenvolvimento promissor, os pesquisadores descobriram que a regulação epigenética - o estudo de alterações nos organismos causadas pela modificação da expressão gênica - pode controlar o desenvolvimento e o padrão radicular nos dentes, potencialmente levando algum dia à regeneração dos dentes.

Pesquisadores da University of Southern California’s Herman Ostrow School of Dentistry e da Sichuan University’s West China Hospital of Stomatology, realizaram em conjunto o estudo, que examinou uma proteína chamada potenciador do zeste homólogo 2 (EZH2), conhecida por ajudar no desenvolvimento de ossos faciais. O que não se sabia, no entanto, foi o que acontece quando o EZH2 não está presente no desenvolvimento de molares. O estudo constatou que o EZH2 e uma proteína chamada proteína 1A contendo domínio interativo rico em AT (ARID1A) devem estar presentes e em equilíbrio para formar o padrão radicular dos dentes e permitir a integração adequada das raízes com os maxilares.

“Sinto-me animado com isso porque, através da evolução humana, há mudanças em nossa dieta e ambiente que podem influenciar nosso epigenoma - a maneira como nossos genes são regulados - e você pode ver claramente a diferença entre a formação radicular de nossa dentição e os neandertais, ”Disse o Dr. Yang Chai, Decano Associado de Pesquisa da Herman Ostrow School, em entrevista no site da USC. Segundo Chai, os troncos das raízes dos molares nos neandertais são mais longos que os dos molares modernos, um possível efeito do aumento da pressão sobre o EZH2 e o ARID1A hoje como resultado de mudanças no exercício e na dieta.

Chai explicou ainda que o objetivo atual desta pesquisa é ser capaz de regenerar raízes molares e colocar coroas em cima delas. O objetivo final é regenerar os dentes. "Seria o melhor dos dois mundos: uma integração natural da raiz com o maxilar com o ligamento periodontal no lugar e uma redução na quantidade de tempo que precisamos usando apenas uma coroa para restaurar a função", acrescentou.

O estudo, intitulado " Interação antagônica entre Ezh2 e Arid1a coordena o desenvolvimento e o padrão de raízes via Cdkn2a em molares de ratos ", foi publicado on-line em 1 de julho de 2019, no eLife .

advertisement
advertisement