DT News - Brazil - Nova orientação para o atendimento de pacientes com doenças bucais potencialmente malignas

Search Dental Tribune

Nova orientação para o atendimento de pacientes com doenças bucais potencialmente malignas

Um artigo recente orienta os dentistas gerais sobre como lidar com casos de distúrbios orais potencialmente malignos, uma vez que seus pacientes retornam do tratamento especializado. (Imagem: Karan Bunjean/Shutterstock)

LONDRES, Reino Unido: Os dentistas gerais (GDPs) agora têm recomendações mais claras às quais podem se referir para monitorar e gerenciar com sucesso distúrbios orais potencialmente malignos (OPMDs) em pacientes que receberam alta de unidades especializadas orais ou maxilofaciais. Com base no conselho de um grupo de oito universidades, institutos de pesquisa e programas de saúde em toda a Europa, um artigo educacional descreve a sintomatologia essencial, riscos associados e melhores práticas para acompanhamento de GDPs que anteriormente não tinham orientação oficial para cuidados posteriores nesses casos.

Os OPMDs foram definidos pelo Centro Colaborador da Organização Mundial da Saúde para o Câncer Oral como “qualquer anormalidade da mucosa oral que está associada a um risco estatisticamente aumentado de desenvolver câncer bucal”. Estima-se que a prevalência varie amplamente em diferentes partes do mundo; no entanto, a incidência geral de OPMDs é de cerca de 4,47% globalmente.

Como a pandemia do COVID-19 alterou drasticamente as capacidades dos GDPs, o Royal College of Surgeons of England introduziu orientações específicas para triagem e gerenciamento de pacientes para as circunstâncias alteradas, o que ajudou os GDPs que estavam sob pressão adicional para identificar OPMDs enquanto trabalhavam com menos recursos. No entanto, uma vez que seus pacientes tenham sido diagnosticados, tratados e liberados com sucesso de uma unidade especializada, geralmente há uma falta de orientação disponível para esses mesmos GDPs para o gerenciamento de casos em andamento.

Neste artigo, as organizações contribuintes cobrem o manejo das seguintes condições: leucoplasia, leucoplasia verrucosa proliferativa, eritroplasia, líquen plano oral, lesões liquenóides, lúpus eritematoso oral, queilite actínica, lesões palatinas em fumantes reversos, disceratose congênita e enxerto-versus oral -doença do hospedeiro. Além de um breve resumo de cada condição, os colaboradores sugerem a sintomatologia chave, oferecem orientação sobre quando encaminhar um paciente de volta a um especialista ou a um hospital e incentivam os GDPs a manter uma descrição precisa das lesões problemáticas, incluindo fotografias clínicas, se tudo possível.

Seguir os procedimentos sugeridos ajudará a fornecer o melhor resultado possível caso os pacientes precisem de encaminhamento. O documento também detalha aspectos do comportamento do paciente sobre os quais seus GDPs podem aconselhá-los em sua situação específica. Isso pode incluir, por exemplo, oferecer assistência para parar de fumar ou usar álcool. Os GDPs são incentivados a ensinar os pacientes a automonitorar suas lesões para que possam se defender, se necessário.

O artigo, intitulado Oral potentially malignant disorders: Advice on management in primary care”, foi publicado on-line em 23 de setembro de 2022 no Journal of Oral Medicine and Oral Surgery.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

advertisement
advertisement