Dental Tribune Brazil

Entrevista sobre o impacto de SARS-CoV-2 em implantologia dentária

Os especialistas recomendam evitar instrumentos piezo-cirúrgicos, usar técnicas não submersas e considerar radiografias extra-orais para reduzir o risco de infecção com SARS-CoV-2 durante tratamentos com implantes dentários. (Imagem: Talaj, Lightspring/Shutterstock)
By Franziska Beier, Dental Tribune International
March 09, 2021

A pandemia em curso teve um grande impacto em muitos campos da odontologia, incluindo procedimentos de rotina e a forma como a educação odontológica é ministrada. Para saber mais sobre até que ponto o campo da implantodontia foi afetado, o Dental Tribune International contatou o Prof. Maher Almasri, reitor da Faculdade de Medicina e Odontologia da Universidade Ulster em Birmingham, no Reino Unido, e o Prof. Curd Bollen, chefe de implantodontia da mesma instituição. Nesta entrevista, eles discutem como a implantodontia pode ser mais bem adaptada à situação atual.

Profs. Almasri e Bollen, o atendimento odontológico geral foi muito afetado pela pandemia devido à proximidade necessária entre o dentista e o paciente e a produção de aerossóis. Existem opções de tratamento em implantodontia que não podem ser realizadas no momento?
Bollen: A Implantodontia enfrenta, é claro, os mesmos riscos de infecção que a odontologia geral, embora o uso de aerossóis em nosso campo seja mais limitado. O uso de instrumentos piezo-cirúrgicos não é, entretanto, recomendado na situação atual. No caso de procedimentos de elevação do seio nasal, por exemplo, uma técnica fechada (técnica de Summers) é preferida, uma vez que a técnica de janela lateral precisa de refrigeração de água de alta velocidade ou equipamento piezo-cirúrgico - ambos induzindo aerossóis extremos. Todos os demais tratamentos cirúrgicos e protéticos ainda podem ser realizados, desde que as rígidas regras de prevenção de infecções sejam respeitadas pelo paciente, pelo médico e pela equipe.

Almasri: Radiografias intraorais, embora causem radiação mínima, devem ser reconsideradas devido ao maior risco de contaminação em comparação com uma radiografia extra-oral. No entanto, é claro, não devemos negligenciar repentinamente o princípio ALARA, mas uma tomografia panorâmica dentária parcial ou TCFC com um pequeno campo de visão é recomendada.

Prof. Maher Almasri. (Imagem: Ulster University)

Para a odontologia geral, os resultados do estudo estabeleceram certas medidas que podem reduzir o risco de infecção. Quais são algumas medidas que os implantologistas dentais podem aplicar durante este período desafiador?
Bollen: Uma desinfecção completa da sala de tratamento após cada contato com o paciente é de extrema importância. Hoje em dia, existem excelentes equipamentos que utilizam ultravioleta C para garantir a desinfecção rigorosa do ar, piso e superfícies da sala de operação. Cada clínica respeitada deve estar equipada com isso!

Outra possibilidade é aplicar técnicas não submersas sempre que possível. Quando uma técnica não submersa de um estágio é usada para instalar o implante dentário, não há necessidade de uma segunda consulta cirúrgica para descobrir o implante. O uso de implantes em nível de tecido oferece essa vantagem e está bem documentado.

Almasri: Outra opção é colocar implantes dentários que usam perfuração de baixa velocidade sem resfriamento. Algumas marcas específicas, como Bicon ou Nobel Biocare (implante N1), apresentam altas taxas de sucesso de longo prazo com perfuração de osteotomia a 50 rpm sem resfriamento.

Existem outras medidas que podem ser tomadas para reduzir o risco de infecção para pacientes e equipe durante procedimentos de implante dentário?
Bollen: Em primeiro lugar, todo paciente deve enxaguar antes de cada procedimento intra-oral com peróxido de hidrogênio (0,5%) ou iodopovidona (0,2%), que são altamente eficazes contra partículas de SARS-CoV-2. Sabemos que a clorexidina não tem nenhum efeito sobre o vírus!

Também é aconselhável usar equipamentos de ampliação, como uma lupa ou um microscópio. Essas ferramentas criam mais distância entre o médico e a cavidade oral do paciente, embora não os 2 m (6 pés) recomendados, é claro. Isso também ajuda a melhorar sua postura. Além disso, a introdução de um fluxo de trabalho totalmente digital pode ser útil: não é necessário enviar mais impressões - possivelmente infectadas - para o laboratório e menos consultas são necessárias para concluir a reconstrução final.

Almasri: Vamos tentar evitar o tratamento de pacientes comprometidos, se o tratamento puder ser adiado. A cirurgia de implante dentário não é um primeiro socorro. Pacientes gravemente imunocomprometidos, bem como pacientes em uso de anticoagulantes, frequentemente apresentam mais complicações e, portanto, requerem mais atenção e cuidados pós-operatórios. Durante uma pandemia, isso significa consultas extras e desnecessárias.

O acesso limitado a cuidados dentários de rotina teve um impacto negativo na saúde oral de muitos pacientes. Como você avalia a situação dos pacientes com implantes dentários?
Almasri: Como mencionado antes, a implantodontia não é um primeiro socorro. O único desconforto que os pacientes enfrentam é provavelmente o atraso no plano de tratamento. As consultas cirúrgicas ou protéticas são frequentemente adiadas, levando a um processo de tratamento prolongado. Que assim seja!

É claro que os pacientes que sofrem de dor pós-operatória ou problemas infecciosos ao redor de seus implantes precisam ter acesso a um serviço de primeiros socorros. Além disso, os reparos protéticos devem permanecer disponíveis para o paciente.

Prof. Curd Bollen. (Imagem: Ulster University)

Além da carga psicológica, a pandemia é financeiramente desafiadora para pacientes e proprietários de clínicas. Antes do SARS-CoV-2, o mercado de implantes dentários era um dos mercados de crescimento mais rápido no setor odontológico. Como você percebe a situação atual?
Bollen: Tal como acontece com os problemas psicológicos, o impacto financeiro tem dois componentes: o impacto nos pacientes e o impacto nos médicos. Ambos os grupos enfrentam inseguranças financeiras hoje em dia devido a menos receitas e despesas crescentes.

Por um lado, para os pacientes, isso muitas vezes leva à escolha de despesas com cuidados pessoais em vez de tratamentos mais caros - como reabilitações com implantes - que são consequentemente adiados. Os dentistas, por outro lado, são confrontados com despesas adicionais que não aumentam sua receita. Raramente o governo está disposto a arcar com os custos extras de todas as novas medidas de precaução.

Isso leva a uma falta de retorno sobre o investimento e pode causar enormes problemas financeiros para clínicas novas ou iniciadas recentemente ou clínicas com uma base financeira instável. Como não há data de término para uma pandemia, a evolução psicológica e financeira durante os próximos meses ou anos é difícil de prever. No entanto, os tempos podem ficar difíceis por um tempo.

Na sua opinião, você acha que a pandemia terá um impacto de longo prazo na prática da implantologia dentária? Se sim, de que maneira?
Bollen: Sim, vai. Como as pandemias anteriores costumavam durar vários anos ou mesmo décadas, é possível que tenhamos de enfrentar essa pandemia por um período mais longo do que esperávamos. Embora várias vacinas estejam disponíveis agora, não há garantia de que serão funcionais contra as variantes novas ou mutadas do SARS-CoV-2.

Almasri: A única coisa que temos em nossas mãos é a capacidade de proteger a nós mesmos e aos nossos semelhantes, tanto quanto possível. A implantodontia pode contribuir para essa proteção, levando em consideração as medidas extras que o Prof. Bollen e eu mencionamos.

Você gostaria de adicionar mais alguma coisa?
Bollen: Como em todas as pandemias anteriores, a humanidade sobreviverá a esses tempos sombrios. No entanto, se quisermos vencer este ou qualquer vírus futuro, precisaremos de uma abordagem unificada em todos os níveis da sociedade.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

© 2021 - All rights reserved - Dental Tribune International