Embriagado em consulta odontológica: o uso da maconha pode atrapalhar o tratamento odontológico?

Search Dental Tribune

Embriagado em consulta odontológica: o uso da maconha pode atrapalhar o tratamento odontológico?

E-Newsletter

The latest news in dentistry free of charge.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.
Os efeitos adversos da maconha na saúde bucal são bem conhecidos. No entanto, novas pesquisas mostraram que o uso de maconha pode realmente impedir ou prolongar o tratamento odontológico quando os pacientes chegam embriagados para suas consultas. (Imagem: Canna Obscura/Shutterstock)

CHICAGO, EUA: A legalização estadual da maconha começou a ser introduzida em 2012, e o uso de maconha pessoal e medicinal está aumentando nos EUA. No entanto, apesar de sua aceitação legal e social, o uso da maconha continua a alimentar grandes controvérsias. Por exemplo, em um ambiente odontológico, a maconha demonstrou afetar a saúde bucal dos usuários, e duas novas pesquisas realizadas pela American Dental Association (ADA) mostraram que ela também pode atrapalhar o tratamento odontológico quando os pacientes chegam embriagados para suas consultas. À luz das descobertas, a ADA sugeriu que os pacientes se abstenham de usar maconha antes das consultas odontológicas.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, a maconha é a droga ilegal federal mais comumente usada nos EUA. Em 2019, cerca de 48,2 milhões de pessoas nos EUA o usavam. Atualmente, o uso recreativo de maconha é legal em 21 estados, dois territórios e o Distrito de Columbia. Além disso, o uso medicinal é legal em 37 estados, 3 territórios e no Distrito de Columbia. Dados os números elevados e como parte de sua pesquisa de tendências, a ADA investigou como o uso de maconha pode afetar o tratamento de pacientes odontológicos.

Uso de maconha antes de uma consulta odontológica

A primeira pesquisa online incluiu 557 dentistas e constatou que 52% dos entrevistados já haviam se deparado com situações em que os pacientes chegavam às consultas embriagados por maconha ou outra droga.

“Ao falar sobre os históricos de saúde, mais pacientes me dizem que usam maconha regularmente porque agora é legal”, disse a porta-voz da ADA, Dra. Tricia Quartey, dentista em Nova York, em um comunicado à imprensa. “Infelizmente, às vezes ter maconha em seu sistema resulta na necessidade de uma visita adicional”, acrescentou ela.

“A maconha pode levar ao aumento da ansiedade, paranóia e hiperatividade, o que pode tornar a visita mais estressante.”

De acordo com os resultados, 56% dos dentistas pesquisados ​​também relataram ter que limitar o tratamento a pacientes intoxicados. Como a maconha e a anestesia também podem ter impacto no sistema nervoso central, 46% dos dentistas entrevistados relataram às vezes a necessidade de aumentar a anestesia para fornecer tratamento.

“A maconha pode levar ao aumento da ansiedade, paranóia e hiperatividade, o que pode tornar a visita mais estressante. Também pode aumentar a frequência cardíaca e tem efeitos colaterais respiratórios indesejados, o que aumenta o risco de uso de anestésicos locais para controle da dor”, observou o Dr. Quartey e acrescentou que os pacientes devem ser capazes de pensar com clareza para escolher o melhor tratamento.

Além dos efeitos gerais sobre a saúde, o uso da maconha também tem sido associado à falta de higiene dental, incluindo cárie dentária. “O ingrediente ativo da maconha, o THC, deixa você com fome, e as pessoas nem sempre fazem escolhas alimentares saudáveis ​​sob sua influência”, explicou o Dr. Quartey.

maconha e vaping

A segunda pesquisa incluiu 1.006 consumidores que foram questionados sobre o uso de maconha e vaping. Constatou-se que 39% dos pacientes relataram uso de maconha e que fumar era a forma mais comum de uso da droga. Além disso, 25% do total de entrevistados disseram que fumavam maconha, dos quais 51% fumavam maconha.

“Fumar maconha está associado a gengivite e boca seca, o que pode levar a muitos problemas de saúde bucal”, comentou o Dr. Quartey. “Também coloca os fumantes em maior risco de câncer de boca e pescoço”, acrescentou ela.

De acordo com os dados, 67% dos pacientes disseram que se sentem à vontade para falar sobre maconha com seu dentista. Dadas as descobertas, a ADA recomenda que os dentistas discutam o uso de maconha enquanto revisam o histórico de saúde dos pacientes durante as consultas odontológicas.

A organização também afirmou que continuará sua pesquisa sobre o uso de maconha e saúde bucal para fornecer recomendações clínicas para dentistas e pacientes.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

advertisement
advertisement