Dental Tribune Brazil

Países do mundo todo buscam reduzir o consumo de açúcar

LEIPZIG, Alemanha: A epidemia global da obesidade mostra poucos sinais de diminuição e vários países de diferentes regiões introduziram políticas destinadas a reduzir seu impacto. Um desses países é o Chile, cuja adoção de um rigoroso sistema de alerta para a rotulagem de alimentos e bebidas com alto teor de açúcar, gordura ou sal reduz as compras desses produtos por quase um quarto ao longo de um período de 18 meses, segundo um estudo recente.

Em 2016, no Chile entrou em vigor a lei de rotulagem e publicidade de alimentos. Ela abrange uma série de políticas que sujeitam alimentos e bebidas não saudáveis ​​a certas restrições de marketing, principalmente em relação à publicidade direcionada a crianças. Além disso, o regulamento proíbe a venda de tais alimentos e bebidas nas escolas e inclui um sistema obrigatório de etiqueta de aviso na frente da embalagem que indica claramente, com a assistência de sinais pretos de stop, se um produto contém quantidades excessivas de açúcar, sódio, gorduras saturadas ou energia.

De acordo com as conclusões do estudo, a introdução do regulamento levou a uma redução de 23,7% nas compras de bebidas açucaradas (SSBs) no país, enquanto um aumento de 5% nas vendas de água engarrafada, refrigerantes diet e sucos de frutas sem adição de açúcar foi registrado. Além disso, outro estudo publicado na Public Health Nutrition descobriu que a exposição das crianças chilenas a anúncios de alimentos e bebidas não saudáveis ​​diminuiu em média 58%.

"Um efeito tão grande no nível nacional no primeiro ano é inédito", disse Lindsey Smith Taillie, principal autora do estudo e epidemiologista nutricional da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, ao New York Times .

“É um sinal muito promissor para um conjunto de políticas que se reforçam mutuamente. É assim que precisamos que o mundo comece a realmente combater doenças evitáveis ​​como obesidade, hipertensão e diabetes”, acrescentou.

Embora até agora a abordagem do Chile tenha se mostrado extremamente proveitosa, ele não é o único país que está tentando reduzir a ingestão de açúcar e outros ingredientes prejudiciais por parte da população. Na Inglaterra, a introdução da Taxa do setor de refrigerantes em abril de 2018 - comumente conhecida como imposto sobre o açúcar - foi a principal responsável por uma redução de 28,8% no teor de açúcar por 100 ml de bebidas carbonatadas. Da mesma forma, a implementação de 2014 de um imposto sobre SSBs no México levou a uma redução de 6,3% nas compras de SSB e a um aumento de 16,2% nas compras de água engarrafada, de acordo com um estudo do Journal of Nutrition

O sucesso da introdução da lei no Chile levou a New Zealand Dental Association (NZDA) a pressionar o governo de seu país a adotar políticas semelhantes. "A idéia de uma taxa sobre bebidas açucaradas é amplamente discutida, mas o que este estudo mostra é que outras medidas também podem ter um impacto no consumo de bebidas açucaradas", disse o porta-voz da NZDA, Dr Rob Beaglehole.

“O sucesso também dos rótulos de advertência nos diz que tanto um ícone de colher de chá mostrando o número de colheres de chá de açúcar em uma bebida quanto os rótulos de advertência que destacam os riscos de cáries, obesidade e diabetes que as bebidas com alto teor de açúcar representam podem levar à redução do consumo de bebida com açúcar e seus danos”, acrescentou.

"A Australian Dental Association [ADA] apoia o uso de um imposto sobre bebidas açucaradas", disse o Dr. Michael Foley, presidente do Comitê de Saúde Oral da ADA, ao Dental Tribune International.

“A ADA apoia quaisquer medidas de saúde pública projetadas para reduzir o alto consumo de açúcar da Austrália. Demonstrou-se que fortes medidas de saúde pública, incluindo impostos sobre cigarros, embalagens comuns e impostos sobre álcool, influenciam as compras, e evidências em todo o mundo sugerem que um imposto sobre bebidas açucaradas também afeta”, concluiu Foley.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

© 2020 - All rights reserved - Dental Tribune International