Dental Tribune Brazil

O estudo abre caminho para a terapia direcionada da periodontite

By Franziska Beier, Dental Tribune International
April 12, 2021

HALLE (SAALE)/LEIPZIG, Alemanha: Uma nova abordagem para o tratamento da periodontite pode tornar o uso de antibióticos obsoleto, pois ele visa apenas as bactérias que causam a doença, poupando aquelas inofensivas. Foi desenvolvido como resultado de uma colaboração entre a Martin Luther University Halle-Wittenberg (MLU), o Instituto Fraunhofer para Terapia Celular e Imunologia IZI em Leipzig e PerioTrap Pharmaceuticals em Halle. Os pesquisadores esperam que o novo método de tratamento cause poucos efeitos colaterais.

Até o momento, o tratamento da periodontite envolveu principalmente o uso de antibióticos de amplo espectro que combatem todas as bactérias da cavidade oral. No entanto, de acordo com um dos principais autores do estudo, o Dr. Mirko Buchholz da PerioTrap Pharmaceuticals, isso tem algumas desvantagens. “Um efeito colateral do tratamento é que ele também destrói todas as bactérias inofensivas ou benéficas da cavidade oral. Além disso, a bactéria pode, em última instância, desenvolver resistência aos antibióticos”, explicou ele em um comunicado à imprensa da MLU.

Para encontrar um método de eliminação apenas das bactérias nocivas, a equipe de pesquisa desenvolveu uma substância teste que combate a glutaminil ciclase, uma enzima específica da bactéria que desempenha um papel importante no metabolismo. A ideia subjacente era que a inativação da enzima danificaria as bactérias e evitaria o desenvolvimento da periodontite.

A substância desenvolvida foi testada quanto à eficácia em diferentes clínicas e universidades na Suíça, Polônia e Estados Unidos e foi encontrada para suprimir com sucesso o crescimento de bactérias patogênicas.

O Prof. Milton T. Stubbs, o outro autor principal do estudo e biotecnologista da MLU, explicou as diferentes variantes da enzima pesquisada: “Nosso alvo, a glutaminil ciclase, vem em duas variantes diferentes. Normalmente, as plantas e bactérias têm uma variante da enzima e os mamíferos, outra. As duas variantes funcionam de maneira semelhante, mas diferem significativamente em sua estrutura. É um pouco como chaves de fenda Phillips de ponta chata”.

Para surpresa dos pesquisadores, a bactéria que causa a periodontite possui a variante mamífera da enzima. “Isso é crucial para a nossa abordagem porque nos dá um possível alvo para que apenas matemos as bactérias patogênicas e deixemos as inofensivas intactas”, disse Buchholz. De acordo com Stubbs, a equipe de pesquisa encontrou diferenças pequenas, mas significativas, entre as enzimas bacterianas e a variante humana. Essas diferenças são provavelmente suficientes para que a nova substância não afete as enzimas humanas, razão pela qual apenas efeitos colaterais menores são esperados.

Os pesquisadores concluíram que os resultados do estudo demonstram que a glutaminil ciclase é um alvo promissor para o desenvolvimento de medicamentos a serem usados no tratamento da periodontite e doenças associadas. Mais estudos in vitro e in vivo são necessários e, portanto, pode levar alguns anos até que a pesquisa resulte em um medicamento comercializável.

O estudo, intitulado “Mammalian-like type II glutaminyl cyclases in Porphyromonas gingivalis and other oral pathogenic bacteria as targets for treatment of periodontitis”, foi publicado online em 5 de janeiro de 2021 no Journal of Biological Chemistry, antes da inclusão em uma edição.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

© 2021 - All rights reserved - Dental Tribune International