Dental Tribune Brazil

A periodontite pode dobrar as chances de declínio cognitivo, diz estudo

By Dental Tribune International
September 02, 2020

MINNEAPOLIS, EUA: Cientistas frequentemente associam algumas formas de doença periodontal a outras doenças inflamatórias, e agora um novo estudo sugeriu que a má saúde bucal também pode ter um impacto na função cerebral. Os resultados mostraram que a doença periodontal, especialmente em seu estágio mais avançado, pode aumentar a chance de desenvolver comprometimento cognitivo leve e demência mais tarde na vida.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, aproximadamente 64,7 milhões de americanos com 30 anos ou mais—faixa etária que representa a metade da população total—têm periodontite. A doença tem sido freqüentemente associada à artrite, diabetes, câncer e doenças cardiovasculares. No início deste ano, o Dental Tribune International relatou um estudo que sugeria que a periodontite pode ser causada por um parasita, Entamoeba gingivalis, que se alimenta das células do tecido gengival e, eventualmente, as destrói.

No presente estudo, os pesquisadores incluíram 8.275 participantes com idade média de 63 anos do Estudo de Risco de Aterosclerose em Comunidades. Nenhum dos participantes tinha demência no início do estudo. Os pesquisadores avaliaram os participantes quanto a comprometimento cognitivo leve e demência, e realizaram um exame periodontal completo que incluiu medição da profundidade da sondagem periodontal, sangramento e recessão. Eles foram agrupados de acordo com a gravidade e extensão de sua doença periodontal e o número de dentes perdidos (ou dentes substituídos por implantes).

No início do estudo, 22% dos participantes não tinham doença periodontal, 12% tinham doença periodontal leve, 12% tinham inflamação periodontal grave e 8% tinham baixo grau de perda dentária. Alguns dos participantes, 12%, tinham doença periodontal em seus molares, 11% tinham perda dentária severa, 6% tinham doença periodontal severa e 20% não tinham nenhum dente. No final do estudo, os pesquisadores avaliaram 4.559 de 8.275 participantes que foram acompanhados por 18 anos em média.

“Analisamos a saúde bucal das pessoas ao longo de um período de 20 anos e descobrimos que as pessoas com a doença gengival mais grave no início do nosso estudo tinham cerca de duas vezes o risco de comprometimento cognitivo leve ou demência no final”, disse o coautor Dr. Ryan T. Demmer  em um comunicado à imprensa; ele é professor associado da Divisão de Epidemiologia e Saúde Comunitária da Escola de Saúde Pública  Universidade de Minnesota em Minneapolis. “No entanto, a boa notícia era que pessoas com perda mínima de dente e doença gengival leve não tinham maior probabilidade de desenvolver problemas de raciocínio ou demência do que pessoas sem problemas dentários”, acrescentou.

Os resultados mostraram que, no geral, quase um quinto dos participantes, ou 1.569 pessoas, desenvolveram demência durante o estudo. Isso incluiu 14% dos participantes com gengivas saudáveis e uma dentição completa, 18% daqueles com doença periodontal leve, 22% dos participantes com doença periodontal grave e 23% dos participantes desdentados.

Os participantes desdentados tinham cerca de duas vezes o risco de comprometimento cognitivo leve e demência em comparação com os participantes com gengivas saudáveis e uma dentição completa, enquanto aqueles com doença periodontal intermediária ou grave e apenas alguns dentes tinham um risco 20% maior de declínio cognitivo em comparação ao grupo saudável. Os riscos foram avaliados depois que os pesquisadores consideraram outros fatores que poderiam afetar o risco de desenvolver demência, incluindo diabetes, nível alto de colesterol no sangue e tabagismo.

“Uma boa higiene dental é uma forma comprovada de manter dentes e gengivas saudáveis ao longo da vida. Nosso estudo não prova que uma boca pouco saudável causa demência, apenas mostra uma associação. Mais estudos são necessários para demonstrar a ligação entre os micróbios na boca e a demência, e para entender se o tratamento para doenças gengivais pode prevenir a demência”, observou Demmer.

Os pesquisadores advertiram que, como os participantes escolhidos para o estudo tinham uma idade média de 63 anos, seu declínio cognitivo pode ter precedido a doença periodontal e a perda dentária.

O estudo, intitulado “Periodontal disease and incident dementia: The Atherosclerosis Risk in Communities Study (ARIC)” foi publicado on-line em 29 de julho de 2020, em Neurology, antes da inclusão em uma edição.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Latest Issues
E-paper

DT Brazil No. 3, 2015

Open PDF Open E-paper All E-papers

© 2020 - All rights reserved - Dental Tribune International