Dental Tribune Brazil

Novas pesquisas podem acelerar a Odontologia regenerativa

By Dental Tribune International
October 23, 2020

ESTOCOLMO, Suécia: A compreensão dos tipos de células e dos mecanismos de crescimento dentário é essencial para a reconstrução e engenharia dos dentes. Portanto, pesquisadores do Karolinska Institutet em Estocolmo investigaram a composição celular de dentes humanos e de camundongos em crescimento ou não. Eles acreditam que os novos dados sobre a composição celular e o crescimento dos dentes podem acelerar o desenvolvimento da odontologia regenerativa e do tratamento da sensibilidade dentária.

Embora os principais tipos de células dentais tenham sido identificados há muito tempo, o espectro de várias células dentais e células-tronco, sua diferenciação e as interações que permitem o crescimento dentário permanecem pouco compreendidos. Os dentes se desenvolvem por meio de um processo complexo no qual o tecido mole, com tecido conjuntivo, nervos e vasos sanguíneos, é unido a três tipos diferentes de tecido duro em uma parte funcional do corpo.

Em contraste com os humanos, cujos dentes são completados antes da idade adulta, os ratos e muitas outras espécies têm dentes que continuam a crescer ao longo da vida. A população de células-tronco incisivas em camundongos se auto-renova e repõe continuamente o tecido que é perdido devido à mastigação, tornando este modelo atraente para estudos de geração de células-tronco, diferenciação celular e regeneração induzida por lesão.

 Mapeamento de populações de células dentárias

Usando um método de sequenciamento de RNA de uma única célula e rastreamento genético, os pesquisadores examinaram as características dos incisivos de camundongos em crescimento, compararam-nos com os molares de camundongos sem crescimento e avaliaram até que ponto o modelo do camundongo reflete o crescimento dos dentes humanos. Dessa forma, os pesquisadores do Karolinska Institutet, em colaboração com a Medical University of Vienna na Áustria e a Harvard University nos Estados Unidos, identificaram e caracterizaram todas as populações de células em dentes de camundongo, em dentes humanos em crescimento jovem e em dentes humanos adultos.

“Das células-tronco às células adultas completamente diferenciadas, fomos capazes de decifrar as vias de diferenciação dos odontoblastos, que dão origem à dentina [...] e ameloblastos, que dão origem ao esmalte”, disse o autor sênior do estudo, Dr. Igor Adameyko, pesquisador sênior do Departamento de Fisiologia e Farmacologia do Karolinska Institutet, e co-autor do Dr. Kaj Fried, professor sênior do Departamento de Neurociência do Karolinska Institutet, em um comunicado à imprensa. De acordo com eles, eles também descobriram novos tipos de células e camadas celulares que podem desempenhar um papel na sensibilidade dentária.

Além disso, as descobertas podem explicar aspectos complexos do sistema imunológico nos dentes e ajudar na compreensão da formação do esmalte dentário. “Esperamos e acreditamos que nosso trabalho pode formar a base de novas abordagens para a odontologia de amanhã. Especificamente, pode acelerar o campo de rápida expansão da odontologia regenerativa”, acrescentaram os autores.

O estudo, intitulado “Dental cell type atlas reveals stem and differentiated cell types in mouse and human teeth”, Foi publicado online em 23 de setembro de 2020 na Nature Communications.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

© 2021 - All rights reserved - Dental Tribune International