Dental Tribune Brazil

Descoberta de pesquisa pode ajudar a criar restaurações dentárias mais fortes e duráveis

By Brendan Day, DTI
July 02, 2020

EDMONTON, Alberta, Canadá / LONDRES, Reino Unido: Devido à estimativa que mais de 2,3 bilhões de pessoas sofram de cárie dentária, qualquer avanço potencial no material de obturação dentária pode beneficiar uma grande proporção da população mundial. Ao investigar a estrutura de certos materiais compósitos, uma equipe internacional de pesquisadores descobriu um método que pode muito bem melhorar esses materiais e subsequentemente levar a restaurações dentárias mais fortes.

Os pesquisadores, que são do Canadá, do Reino Unido, da Noruega e dos EUA, pretendem entender mais sobre compósitos à base de resina fotoativada, usados comumente em uma variedade de situações médicas e odontológicas, inclusive como material em obturações dentárias. Embora muito saibamos sobre a formulação química desses compósitos, a maneira pela qual as partículas de carga afetam sua polimerização foi pouco compreendida até esse ponto.

Para ajudar a preencher essa lacuna de conhecimento, a equipe de pesquisa empregou imagens de infravermelho médio de campo amplo na Canadian Light Source da Universidade de Saskatchewan, uma instalação de fonte de luz síncrotron, para examinar atentamente o comportamento que ocorre nas matrizes de vários compostos. Ao fazer isso, os pesquisadores foram capazes de demonstrar que as partículas de carga adicionadas modificam a reação desses compósitos ao endurecer.

Prof. Owen Addison, professor adjunto de Odontologia da Universidade de Alberta e presidente de reabilitação oral da Faculdade de Odontologia, Ciências Bucais e Craniofaciais do King's College London, foi o principal autor do estudo. Ele disse ao Dental Tribune International que essa descoberta poderia informar modelos preditivos do comportamento de materiais compósitos e melhorar o desempenho dos materiais.

"Essas descobertas ajudam os dentistas de duas maneiras", disse Addison. “Diretamente, elas fornecem uma nova forma de evidência que reforça o argumento de que os compósitos de resina atuais são altamente sensíveis aos esquemas de fotopolimerização e que os dentistas devem reconhecer que a aderência aos protocolos recomendados é uma obrigação. Indiretamente, essa nova abordagem será uma ferramenta valiosa para ajudar a orientar o desenvolvimento de novas gerações de compósitos fotopolimerizados. ”

Addison afirmou ainda que essas descobertas fazem parte de um projeto de pesquisa em andamento que continuará a desenvolver esses métodos. "Nos próximos 12 meses, também exploraremos novas abordagens para otimizar a polimerização do compósito em escalas de comprimento entre partículas", acrescentou.

O estudo, intitulado “Origin of micro-scale heterogeneity in polymerisation of photo-activated resin composites”, foi publicado on-line em 15 de abril de 2020, na Nature Communications, antes da inclusão em uma edição.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

© 2021 - All rights reserved - Dental Tribune International