DT News - Brazil - Procura-se: pesquisa sobre restaurações de zircônia impressas em 3D

Search Dental Tribune

Procura-se: pesquisa sobre restaurações de zircônia impressas em 3D

Há grande necessidade de pesquisas quando se trata de restaurações de zircônia, independente do processo de fabricação. (Imagem: Gorynvd/Shutterstock)

JAZAN, Arábia Saudita: As restaurações à base de zircónia, conhecidas pela sua durabilidade e estética semelhante aos dentes naturais, ganharam popularidade nos últimos 20 anos e são cada vez mais produzidas utilizando CAD/CAM. Uma recente revisão sistemática e meta-análise comparando próteses de zircônia fresadas e impressas em 3D encontrou lacunas contínuas na pesquisa, incluindo preconceitos e potencial sub-representação das capacidades de desempenho das restaurações impressas em 3D. A A completa falta de estudos clínicos sobre a eficácia das coroas de zircônia impressas em 3D e das próteses dentárias fixas (FDPs) também destaca o quão longe ainda está a pesquisa sobre a fabricação de coroas de zircônia.

A zircônia, apelidada de “aço cerâmico” por sua robustez, é a escolha preferida para diversas restaurações dentárias devido à sua alta resistência e biocompatibilidade, entre outros atributos. A introdução de tecnologias CAD/CAM melhorou a precisão na fabricação de restaurações de zircônia, minimizando o erro humano. Existem dois métodos principais de fabricação: subtrativo (fresagem) e aditivo (impressão 3D). Cada técnica tem suas vantagens. A fresagem é econômica e menos sensível a pequenas imperfeições de projeto, enquanto a impressão oferece mais flexibilidade e eficiência de projeto em estruturas complexas. Embora a impressão 3D de restaurações dentárias seja incipiente, os estudos que comparam a eficácia da zircônia fresada versus a impressa são escassos.

A presente revisão foi conduzida num esforço para colmatar esta lacuna de conhecimento, procurando determinar se o desempenho das coroas de zircónia e dos FDP produzidos por ambos os métodos se compara favoravelmente com o das produzidas convencionalmente . A revisão incluiu vários estudos in vitro , necessários no lugar de quaisquer estudos clínicos disponíveis sobre restaurações de zircônia impressas em 3D, e os resultados têm como objetivo orientar os médicos na seleção do melhor método para criar coroas e PDFs. Os artigos incluídos foram publicados de 2004 a novembro de 2022 e relataram a colocação de mais de 1.500 restaurações de zircônia, predominantemente nas regiões posteriores. Os estudos envolveram uma variedade de desenhos clínicos e a maioria dos pacientes foi acompanhada por mais de um ano.

Clinicamente, as coroas de zircônia e os FDPs apresentaram propriedades biológicas e físicas impressionantes, com poucos problemas relatados. A meta-análise revelou que, independentemente de variáveis ​​como idade, vitrificação/coloração, localização e integridade marginal, a taxa de sobrevivência conjunta destas coroas e FDPs foi consistentemente elevada, de 100%. No contexto de estudos in vitro comparando coroas de zircônia fresadas e impressas em 3D e FDPs, os resultados sugeriram que ambos os métodos ofereceram precisão, adaptabilidade e resistência comparáveis, posicionando a impressão 3D como uma opção viável para uso clínico.

O principal resultado biológico observado em geral foi sangramento à sondagem. Foram observadas questões técnicas, como fraturas de coroa, e um estudo registrou uma taxa de sobrevivência de 91,5%. Descobriu-se que o polimento adequado reduz a chance de fratura da coroa. Outras conclusões importantes da revisão foram que os pacientes com bruxismo devem ser tratados com coroas de zircônia e PFs com grande cautela e ajustes podem ser necessários após a colocação da coroa devido a problemas oclusais ou dor. A média de preservação da integridade marginal foi elevada, mas variou dependendo do estudo. Descobriu-se que a zircônia causa desgaste nos dentes opostos, mas menos do que outras cerâmicas.

A literatura sobre os aspectos estéticos da zircônia é limitada, especialmente no que diz respeito à cor. A revisão enfrentou desafios como variabilidade técnica e tamanho limitado da amostra de pacientes. Conclusivamente, as coroas de zircônia e os FDPs, sejam eles impressos em 3D ou fresados, são promissores, mas requerem pesquisas mais extensas, especialmente estudos de longo prazo, para validar seus benefícios em relação às próteses produzidas tradicionalmente. Embora em alguns casos a literatura sugira que coroas fresadas e FDPs sejam superiores às impressas em 3D, não foram identificadas comparações diretas realizadas em nenhum estudo. A falta de pesquisas sobre coroas impressas em 3D e FDPs pode ter contribuído para este resultado.

O estudo, intitulado “Clinical effectiveness of 3D-milled and 3D-printed zirconia prosthesis—a systematic review and meta-analysis”, foi publicado em 27 de agosto de 2023 na revista Biomimetics.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

advertisement
advertisement