Dentistas expressam limitações no tratamento de pacientes com deficiência

Search Dental Tribune

Dentistas expressam limitações no tratamento de pacientes com deficiência

E-Newsletter

The latest news in dentistry free of charge.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.
Um estudo realizado por pesquisadores no Iraque e nos Emirados Árabes Unidos descobriu que um número significativo de médicos sente que é apenas um pouco capaz de fornecer cuidados bucais ideais para pacientes com deficiências. (Imagem: Karjalainen/Shutterstock)
Dental Tribune International

Dental Tribune International

sex. 13 janeiro 2023

save

AJMAN, Emirados Árabes Unidos: Um estudo realizado por pesquisadores no Iraque e nos Emirados Árabes Unidos descobriu que os dentistas que trabalham nesses países se sentem mal preparados para fornecer cuidados bucais ideais para pacientes com deficiências. As razões incluem a ansiedade entre os médicos e a falta de tempo e treinamento adequados para o tratamento. De acordo com os pesquisadores, são necessárias oportunidades educacionais direcionadas para melhorar a confiança e a capacidade dos médicos de tratar pacientes com deficiências.

Uma amostra de 150 dentistas em Ajman concluiu uma pesquisa transversal que visava investigar a competência dos médicos no tratamento de pacientes com deficiência e os fatores que influenciam a prestação de cuidados e a competência percebida.

A maioria dos entrevistados (75,3%) tinha entre um e cinco anos de experiência clínica e 46,7% do grupo amostral descreveu sua experiência no tratamento de pacientes com deficiência como mínima. Apenas 2% disseram ter uma experiência significativa no tratamento de pacientes com deficiência. O principal autor do estudo, Dr. Afraa Salah, que leciona odontopediatria e psicologia e ciências comportamentais para estudantes de odontologia na Universidade de Ajman, confirmou ao Dental Tribune International (DTI) que os dentistas mais velhos no grupo de amostra também não tinham confiança e experiência no tratamento de pacientes. com deficiências.

Quase três quartos (73,3%) dos entrevistados disseram que tentariam o tratamento de pacientes com deficiência, mas que encaminhariam o paciente a outro clínico se a terapia se tornasse muito difícil. Um quinto dos entrevistados disse que não forneceria tratamento e, em vez disso, encaminharia o paciente a um especialista. Quando questionados sobre o quão confortáveis ​​os médicos se sentiam ao fornecer tratamento, 45,3% dos entrevistados deram uma resposta neutra, 32,7% responderam positivamente e 14,7% responderam negativamente. Respostas fortemente positivas ou fortemente negativas foram dadas por 4,7% e 2,0% dos entrevistados, respectivamente.

Um número significativo de entrevistados (44,0%) sentiu que era apenas um pouco capaz de fornecer cuidados bucais ideais para pacientes com deficiência, e 35,5% disseram que o tempo necessário para o tratamento era uma preocupação. A preocupação com a capacidade de interagir com o paciente foi mencionada por 38,0% dos entrevistados, e a preocupação com o fato de o tratamento resultar em lesão para o paciente ou para o dentista assistente foi expressa por 34,7% e 30,7%, respectivamente.

Os autores escreveram que “as opções limitadas de tratamento dos dentistas participantes para essa população dependem de sua falta de tempo e treinamento adequados, capacidade limitada de se comunicar com os pacientes, adesão do paciente e consciência situacional constante de como evitar lesões não intencionais aos pacientes que podem levar a possíveis lesões ao seu corpo clínico”.

O Dr. Salah disse ao DTI: “Acho que precisamos estabelecer e implementar cursos educacionais sobre o tratamento desses pacientes no programa de graduação, bem como por meio de um curso presencial obrigatório. Em particular, eu pessoalmente acho que o treinamento sobre como tratar melhor os pacientes que estão no espectro do autismo seria muito valioso.”

O estudo, intitulado “Dentists’ attitude towards dental treatment of disabled patients”, foi publicado na Advances in Medical Education and Practice em 14 de dezembro de 2022.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

advertisement
advertisement