DT News - Brazil - Universidade da Islândia pode aplicar método controverso de avaliação da idade dentária

Search Dental Tribune

Universidade da Islândia pode aplicar método controverso de avaliação da idade dentária

A Universidade da Islândia poderá em breve realizar radiografias dentárias para avaliar a idade de jovens asilados, embora este método seja altamente contestado. (Foto: FreeProd33 / Shutterstock)

qua. 26 dezembro 2018

guardar

REYKJAVIK, Islândia: A Universidade da Islândia(HÍ) e a Direção de Imigração estão atualmente finalizando um acordo de trabalho para determinar a idade dos solicitantes de asilo com base em exames odontológicos. O método de avaliação tem sido fortemente criticado por ser impreciso.

O reitor da HÍ Prof. Jón Atli Benediktsson confirmou o acordo. Até agora, a universidade tem conduzido essas determinações da idade dentária informalmente, em particular de crianças em busca de asilo que chegaram sem um adulto acompanhante para determinar se esses candidatos têm mais de 18 anos.

O conselho estudantil da HÍ ficou surpreso e desapontado ao saber das novidades. "Minha opinião pessoal é que a universidade não deve ter nada a ver com isso", disse Elísabet Brynjarsdóttir , presidente do conselho estudantil universitário. "Acredito que a determinação da idade dentária está em conflito com os regulamentos de ética científica da universidade, e o procedimento é muito controverso nos círculos acadêmicos devido a resultados inexatos e de um ponto de vista ético", acrescentou.

No Reino Unido, o Ministério do Interior abandonou a prática por recomendação da Associação Dentária Britânica (BDA). A Associação opõe-se claramente ao uso de radiografias dentárias para avaliar a idade dos requerentes de asilo, porque é um método impreciso. Além disso, a BDA acredita que é inapropriado e antiético fazer radiografias de pessoas sem que elas obtenham qualquer benefício de saúde. De acordo com a associação, as radiografias feitas com uma finalidade que não seja uma razão clínica não devem ser usadas sem o consentimento do paciente e devem ser totalmente informadas sobre como e por quem as radiografias serão utilizadas.

A faculdade Royal College of Pediatrics and Child Health produziu uma publicação intitulada Refugee and Unaccompanied Asylum-Seeking Children and Young People, em abril de 2018, para apoiar pediatras na avaliação de crianças com antecedentes de refugiados. O documento afirma que o uso de avaliação radiológica é muito impreciso e só pode determinar uma idade estimada dentro de um intervalo de dois anos em qualquer direção. Igual ao BDA, o colégio considera inadequado o uso de radiografias para esse fim. Portanto, é importante que os pediatras informem aos assistentes sociais que as radiografias dentárias não contribuirão para o processo de avaliação da idade.

Além disso, os regulamentos de ética científica da Universidade da Islândia estipulam que os participantes de qualquer estudo da universidade não podem ter sido pressionados a participar, nem os resultados do estudo podem ter impactos negativos na vida dos participantes.

Enquanto os requerentes de asilo podem recusar-se a submeter-se a um exame dentário para o efeito se o desejarem, devem fazê-lo com o entendimento de que isso pode afetar a aceitação ou não da sua candidatura, embora seja estipulado que a sua candidatura não será rejeitada unicamente por recusar um exame odontológico.

Desde o início da crise europeia de refugiados em 2015, um número crescente de pessoas chegou à Europa através do Mar Mediterrâneo ou do Sudeste da Europa, a fim de solicitar asilo. A maioria deles veio da Síria, Afeganistão e Iraque e foram forçados a fugir por causa da perseguição, guerra e violência.

advertisement
advertisement