Dental Tribune Brazil

Transtorno de Ansiedade Social aumenta o risco de problemas dentários

By Dental Tribune International
June 15, 2015

TEL AVIV, Israel: Transtornos de ansiedade são a classe mais comum de transtornos mentais no mundo e incluem transtorno do pânico, transtorno de estresse pós-traumático, transtorno obsessivo-compulsivo e transtorno de ansiedade social. Em um novo estudo realizado pela Universidade de Telavive pesquisadores descobriram que a ansiedade experimentada em circunstâncias sociais eleva o risco de bruxismo, o que provoca desgaste dos dentes e fraturas, bem como dor na mandíbula.

De acordo com a pesquisa, liderada pelo Dr. Efraim Winocur do Departamento de Reabilitação Oral da Faculdade de Medicina Dentária Maurice e Gabriela Goldschleger, a interação com as pessoas é susceptível de desencadear ranger de dentes nos socialmente ansiosos. Winocur realizou um estudo em colaboração com pesquisadores do Centro de Saúde Mental de Geha em Petah Tikva em Israel.

Um estudo de 2012 descobriu que em média 7,3 por cento da população mundial sofre de transtornos de ansiedade, com um aspecto nitidamente de maior prevalência nas culturas ocidentais. Fobia Social, também conhecida como transtorno de ansiedade social, caracteriza-se pelo excessivo ou irracional sentimento de medo, estresse e ansiedade em situações sociais. Ela geralmente começa nos primeiros anos de vida e causa ansiedade prolongada.

"Não se trata de um problema dentário, mas um com claras consequências dentárias", disse Winocur. "Se estamos informados, em seguida, podemos conscientizar. Os Psiquiatras podem identificar pacientes predispostos a bruxismo e podem tentar ajudar a prevenir, e especialistas dentários saberão imediatamente o que tratar".

Os pesquisadores avaliaram 75 homens e mulheres com seus 30 anos via questionários. Um grupo de 40 pessoas tinha fobia social, caracterizada pelo medo excessivo em situações sociais. Pouco menos da metade dos membros do grupo estavam em uso de antidepressivos (inibidores seletivos da recaptação da serotonina). Um grupo de controle de 35 não tinha fobia social. Todos os sujeitos foram submetidos à exames dentários e psiquiátricos. Sintomas de bruxismo e hábitos orais, tais como mascar chiclete, roer as unhas e pequenos movimentos da mandíbula em contato com o dente (jaw play), foram avaliados.

Embora anti-depressores foram previamente associados ao bruxismo, este estudo não encontrou associação. No entanto, os pesquisadores encontraram moderado a grave desgaste dental em 42,1 por cento de portadores de fobia social e 28,6 por cento dos controles. A taxa de jaw play foi de 32,5 por cento no grupo fobia e 12,1 por cento nos controles. Os sintomas do bruxismo no sono foram relatados por 42,5 por cento dos pacientes de fobia social e por 3 por cento dos controles.

"Interação com as pessoas parece ser necessária para desencadear o bruxismo, em pessoas socialmente ansiosas", explica Winocur. "Ao tratar ansiedade social, seremos capazes de tratar o bruxismo, também." Winocur está pesquisando o efeito de distúrbios de estresse pós-traumático no sono e bruxismo acordado.

O estudo, intitulado "O bruxismo e hiperatividade parafuncional oral e fobia social em pacientes ambulatoriais", foi publicado na edição de fevereiro do Journal of Oral Rehabiliation.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

© 2021 - All rights reserved - Dental Tribune International