Dental Tribune Brazil

Teste de Alzheimer contra P. gingivalis

By Dental Tribune International
October 14, 2019

AMSTERDAM, Holanda: Na recente conferência "Alzheimer’s Association International Conference", pesquisadores da empresa farmacêutica Cortexyme anunciaram um próximo ensaio clínico que terá como alvo substâncias tóxicas liberadas pela bactéria Porphyromonas gingivalis. Comumente associado à doença periodontal crônica, o P. gingivalis também demonstrou ter um efeito adverso na doença de Alzheimer.

Os pesquisadores forneceram uma visão geral do desenvolvimento do medicamento, conhecido como COR388, e descreveram como eles estão trabalhando para testar sua capacidade de retardar a progressão dos sintomas da doença de Alzheimer. Eles destacaram as descobertas anteriores de um pequeno ensaio clínico em estágio inicial, que indicou que o medicamento é seguro para pessoas idosas. Eles também estabeleceram dados preliminares, coletados de um estudo de 28 dias com nove pessoas com doença de Alzheimer leve a moderada, que mostraram possíveis indicações da droga, ajudando a melhorar a memória e as habilidades de pensamento dos participantes, e a reduzir os marcadores biológicos da doença.

O desenvolvimento da droga vem por trás de um estudo divulgado no início deste ano por uma equipe internacional de cientistas que encontrou "fortes evidências que conectam a P. gingivalis e a patogênese da doença de Alzheimer", de acordo com o professor Jan Potempa , do Departamento de Imunologia Oral e Doenças Infecciosas da Universidade de Louisville e co-autor do estudo. Potempa alertou para não tirar conclusões precipitadas, no entanto, afirmando que "mais pesquisas precisam ser feitas antes que a P. gingivalis seja explicitamente implicada na causa ou morbidade da doença de Alzheimer".

"O uso de um medicamento para atingir proteínas tóxicas produzidas pela bactéria P. gingivalis mostrou benefícios potenciais em camundongos com características de Alzheimer", disse a Dra.Carol Routledge, Diretora de Pesquisa da Instituição de Caridade Alzheimer's Research UK. "Agora, os ensaios clínicos em estágio inicial descobriram que o medicamento é seguro, é promissor ver ensaios maiores começando a avaliar se isso poderia melhorar a vida das pessoas com Alzheimer".

“Embora haja alguma evidência ligando certos vírus e bactérias à doença de Alzheimer, é difícil para os pesquisadores determinar qual o papel que as infecções podem desempenhar na doença. Substâncias tóxicas liberadas pela bactéria P. gingivalis foram encontradas no cérebro de pessoas com Alzheimer, mas não sabemos se isso é uma causa ou consequência da doença. Um ensaio clínico como esse ajudará a responder a essa pergunta importante, enquanto explora uma nova abordagem desesperadamente necessária para o tratamento da doença”, acrescentou Routledge.

Na conferência em Amsterdã, realizada de 26 a 30 de julho, os pesquisadores também discutiram um estudo maior, chamado GAIN trial. Este estudo deve testar a droga em 570 pessoas com doença de Alzheimer em aproximadamente 90 locais de estudo nos EUA e na Europa.

Comments are closed here.

Latest Issues
E-paper

DT Brazil No. 3, 2015

Open PDF Open E-paper All E-papers

© 2020 - All rights reserved - Dental Tribune International