Pesquisadores desenvolvem modelo para localização automática de canais mandibulares

Search Dental Tribune

Pesquisadores desenvolvem modelo para localização automática de canais mandibulares

E-Newsletter

The latest news in dentistry free of charge.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.
Pesquisadores finlandeses desenvolveram recentemente uma maneira de localizar com precisão os canais mandibulares usando um método de aprendizado aprofundado. (Imagem: Shidlovski/Shutterstock)

qua. 13 maio 2020

save

ESPOO, Finlândia: Para pôr um implante, os profissionais de Odontologia precisam primeiro localizar o canal mandibular, o que normalmente é feito usando técnicas de imagem de TCFC. Como isso geralmente requer tempo e energia consideráveis, os pesquisadores finlandeses desenvolveram recentemente um método para localizar automaticamente os canais mandibulares com a ajuda da inteligência artificial, a fim de facilitar a colocação de implantes dentários.

O estudo foi uma colaboração entre pesquisadores do Centro Finlandês de Inteligência Artificial, Hospital Universitário de Tampere, na Finlândia, o fabricante finlandês Planmeca e o Instituto Alan Turing, no Reino Unido. No estudo, os pesquisadores desenvolveram um novo método de aprendizado aprofundado que ajuda a determinar automaticamente a localização exata dos canais mandibulares. O modelo é baseado no treinamento e no uso de redes neurais profundas, empregando um conjunto de dados que consiste em varreduras de CBCT.

Após treinar o modelo nos volumes anotados grosseiramente, os pesquisadores foram capazes de localizar com precisão os canais mandibulares do conjunto anotado no nível voxel, sendo a distância média da curva e a distância média simétrica da superfície de 0,56 mm e 0,45 mm, respectivamente. Os resultados mostram que o modelo superou com êxito os modelos estatísticos de formas normalmente usados em pesquisas.

Segundo os pesquisadores, o novo modelo pode atingir precisão quase humana nos casos em que o paciente não possui condições pré-existentes e não requer tratamento especial. "Em casos mais complexos, pode ser necessário ajustar a estimativa, por isso ainda não estamos falando de um sistema totalmente independente", disse o principal autor Joel Jaskari, candidato a doutorado na Universidade Aalto, na Finlândia, em um comunicado à imprensa.

Os pesquisadores observaram que o objetivo do estudo era otimizar os fluxos de trabalho dos radiologistas. “O objetivo deste trabalho de pesquisa não é, contudo, substituir os radiologistas, mas tornar seu trabalho mais rápido e eficiente para que tenham tempo de se concentrar em casos mais complexos”, explicou o professor Kimmo Kaski, consultor sênior em ciência da computação na Universidade de Aalto.

A Planmeca, especializada no desenvolvimento de dispositivos de imagem digital 3D e 2D, unidades odontológicas e soluções e software CAD/CAM, atualmente está integrando o modelo em seu software. O modelo será utilizado com o equipamento de tomografia 3D Planmeca.

O estudo, intitulado "Deep learning method for mandibular canal segmentation in dental cone beam computed tomography volumes", foi publicado on-line em 3 de abril de 2020 na Scientific Reports.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

advertisement
advertisement