Pandemia agrava desigualdades em saúde bucal no Reino Unido

Search Dental Tribune

Pandemia agrava desigualdades em saúde bucal no Reino Unido

E-Newsletter

The latest news in dentistry free of charge.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.
Pesquisadores da University College London dizem que as interrupções relacionadas à pandemia nos serviços odontológicos gerais do NHS afetaram principalmente grupos mais vulneráveis. (Imagem: Ink Drop/Shutterstock)

LONDRES, Reino Unido: Pesquisadores da University College London destacaram o efeito da pandemia de COVID-19 de aumentar as desigualdades na saúde bucal no Reino Unido. A redução do acesso a serviços odontológicos e ações preventivas, bem como o aumento de comportamentos prejudiciais à saúde bucal, tiveram um impacto maior em determinados grupos da população – crianças, idosos e menos abastados. Os pesquisadores dizem que agora é necessário um investimento de longo prazo para evitar o agravamento da saúde bucal nesses grupos.

Em um comentário de janeiro no British Dental Journal , a Dra. Michelle Stennett e o Prof. Georgios Tsakos, pesquisadores do Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública da University College London, procuraram documentar o impacto da pandemia nas desigualdades de saúde bucal. Eles realizaram uma revisão de literatura e analisaram dados de saúde pública e vendas, e o foco de sua análise foi o período de março de 2020 a fevereiro de 2021.

Os serviços odontológicos gerais do Serviço Nacional de Saúde (NHS) sofreram interrupções históricas em 202’0, a partir de março com a declaração da pandemia de SARS-CoV-2 e o subsequente fechamento temporárioç da maioria das clínicas odontológicas. Os programas de saúde bucal em escolas e casas de repouso foram amplamente suspensos entre março e outubro daquele anoe os encaminhamentos para câncer bucal – cuja incidência é maior entre os grupos mais carentes e vulneráveis ​​– e extrações dentárias em crianças diminuíram drasticamente.

Segundo os investigadores, até outubro, a utilização dos serviços dentários gerais do SNS recuperou um pouco, mas esta não era a situação entre os idosos e as crianças, e a retoma da utilização dos serviços entre estes dois grupos foi mais gradual nos mais carenciados áreas do país. Eles escreveram: “[Houve] claras desigualdades na aceitação de serviços odontológicos neste período inicial de retomada, particularmente entre crianças e idosos, com 10% a mais de crianças e idosos nas áreas menos carentes da Inglaterra utilizando os serviços em outubro de 2020, em comparação com aqueles nas áreas mais carentes.”

Os dados de vendas de março a julho de 2020 mostraram aumentos na venda de confeitos e outros alimentos ricos em açúcares livres e variações na compra de produtos de higiene bucal entre grupos socioeconômicos mais altos e mais baixos. Entre estes últimos, registrou-se queda na compra de produtos de higiene bucal a partir de junho. Dados combinados de vendas e resultados de pesquisas mostraram aos pesquisadores que o consumo de álcool pela população aumentou entre março e junho de 2020 e que o aumento nas vendas foi impulsionado por consumidores pesados ​​da droga. “Consequentemente, esse grupo de alto risco de bebedores pesados ​​está agora, após o bloqueio, ainda mais propenso a sofrer danos relacionados ao álcool com implicações para a saúde bucal, principalmente para o câncer bucal”, escreveram os pesquisadores.

Devido a esses fatores e à gravidade e impacto econômico da pandemia no Reino Unido, os autores postularam que a pandemia provavelmente teria um grande impacto na saúde bucal e ampliaria as desigualdades de saúde no país. Eles observaram que as desigualdades em saúde no Reino Unido já vinham aumentando desde 2010.

“[Deve-se] reconhecer que os programas de saúde bucal e os serviços odontológicos fazem parte de um cenário em constante mudança à medida que avançamos nas diferentes fases da pandemia do COVID-19”

Os pesquisadores comentaram: “Parece que os grupos menos carentes são mais capazes de navegar na arquitetura em mudança da prestação de serviços odontológicos do NHS do que os mais carentes. Esta é uma preocupação séria, pois os grupos populacionais vulneráveis ​​e mais carentes têm uma maior dependência do NHS para seus cuidados odontológicos.” Observaram ainda que as interrupções nos serviços de saúde relacionadas ao câncer bucal e ao atendimento odontológico secundário afetaram principalmente os grupos mais vulneráveis ​​e os grupos socioeconômicos mais baixos. Eles enfatizaram: “Embora este comentário reflita sobre a situação até fevereiro de 2021, deve-se reconhecer que os programas de saúde bucal e os serviços odontológicos fazem parte de um quadro em constante mudança à medida que avançamos nas diferentes fases da pandemia do COVID-19”.

Era crucial considerar um plano de ação para abordar as desigualdades em saúde à medida que o Reino Unido avançava para a retomada dos serviços odontológicos do NHS aos níveis pré-pandemia. Este plano deve incluir programas de melhoria da saúde bucal com ênfase nos grupos mais vulneráveis ​​e deve abordar fatores sociais e comerciais mais amplos que pioram as desigualdades de saúde bucal, escreveram os pesquisadores.

Isso exigiria menos desinvestimento em saúde pública e maior priorização de programas que apoiem o acesso equitativo aos serviços de saúde, concluíram.

“Afinal, uma boa saúde bucal contribui consideravelmente para a saúde e qualidade de vida da população”, afirmam.

O artigo, intitulado“The impact of the COVID-19 pandemic on oral health inequalities and access to oral healthcare in England”, foi publicado online em 28 de janeiro de 2021 no British Dental Journal.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

advertisement