Dental Tribune Brazil

Estresse – amigo ou inimigo?

By Michèle Reners
June 06, 2019

“Estresse” é um termo que é frequentemente usado de maneira imprópria e aplicado de forma inadequada. No mundo de hoje, estar estressado é frequentemente associado a uma vida de trabalho ocupada e ativa. Na realidade, o que chamamos de “estresse” é, na verdade, um fenômeno complexo que enfraquece nosso organismo e cuja finalidade principal é manter o equilíbrio interno. O estresse é culpado por muitas doenças e, mais do que apenas um fator de risco, é uma aflição real.

Mas nem sempre foi assim. Os seres humanos primitivos viviam sob condições muito mais estressantes do que hoje, uma vez que sua sobrevivência estava constantemente em jogo. Eles tinham que caçar para sobreviver e eram obrigados a lutar ou fugir. As reações geradas pelo estresse eram uma fonte de energia que lhes permitia sobreviver no mundo agressivo em que viviam. Eles imediatamente canalizaram sua energia para a ação. No mundo de hoje, a agressão é evidentemente mais verbal e é impossível lutar ou fugir de um conselho de examinadores, um chefe ou um engarrafamento. O estresse geralmente dura mais e é mais intenso (intimidação no trabalho, por exemplo) e é aqui que a patologia se torna arraigada.

Mas o que é estresse?
É uma resposta adaptativa. Em 1920, Cannon propôs uma descrição científica do estresse: “o corpo de qualquer animal complexo manifesta um padrão de resposta estereotipado a qualquer ameaça ambiental que perturbe seu equilíbrio”, a conhecida reação de luta ou fuga. Foi Selye quem em 1936 a chamou de "síndrome de adaptação geral". Ele descreveu três estágios de respostas fisiológicas. O primeiro é o estágio de alarme , quando confrontado com uma situação difícil. Esta etapa visa mobilizar recursos: a respiração acelera, a gordura é queimada e a glicose é liberada. A frequência cardíaca aumenta e os cinco sentidos ficam mais nítidos. A digestão é interrompida e a produção de saliva diminui. Prioridade é dada aos músculos e ao cérebro. Todas essas reações, ou esforços de adaptação, são normais e úteis e permitem que nosso corpo se adapte a um ambiente em constante movimento. Se nenhuma ação for possível e nenhuma solução for concebível para se adaptar à ameaça, o estágio de resistência começa. Essa fase corresponde a um estado de heterostase , e é nesse estágio que os problemas psicológicos e / ou psicossomáticos podem começar. O estágio de exaustão marca o fim do estágio de resistência com o esgotamento dos recursos e o abandono do esforço. Isso é burn-out.

Naturalmente, todos reagem de maneira diferente aos estressores, porque todos vêem as coisas de maneira diferente e têm sua própria capacidade de adaptação (ou capacidade de lidar com elas). Falamos sobre o comportamento de enfrentamento bem-sucedido quando o indivíduo tem um sentimento de confrontar e permanecer no controle. Seria um fracasso se ele ou ela estivesse sobrecarregado por eventos (estressores). Selye também fez uma distinção entre estresse negativo (aflição) e estresse positivo (eustress). Este último é benéfico para todos, pois permite que se ultrapasse os limites sem perder o equilíbrio interno e alcançar um objetivo fixo (por exemplo, o estresse de um atleta antes de uma competição).

Qual é a ligação entre estresse e doença periodontal?
A doença periodontal é uma doença bacteriana multifatorial e inflamatória. Na periodontite necrótica, o estresse tem sido reconhecido como um importante fator de risco. Os soldados de Alexandre, o Grande, já sofriam com essa patologia e, mais tarde, afetaram os soldados na Primeira Guerra Mundial, quando era conhecida como “doença das trincheiras”. Estágios de atividade foram descritos no desenvolvimento da doença periodontal. O estresse é considerado um fator agravante devido a dois fenômenos: o estresse gera uma mudança no comportamento, por um lado, e uma redução nas defesas imunológicas, por outro. Muitos estudos, alguns muito antigos, mostraram que os pacientes com depressão tendem a se alimentar mal, a se cuidar menos e a aumentar o consumo de tabaco, álcool e medicamentos. Sabemos que a doença periodontal é estabilizada se os pacientes realizarem a limpeza meticulosa diária de seus dentes e espaços interdentais. A motivação interna é reduzida em pacientes deprimidos e, assim, a negligência da higiene dentária aumenta a quantidade de biofilme e altera sua composição. As deficiências nutricionais também são responsáveis pela diminuição da imunidade. O uso de tabaco é um fator de risco reconhecido para a doença periodontal. O acúmulo de todas essas mudanças no comportamento aumenta o risco de desenvolver periodontite ou recaída.

A maneira pela qual o estresse age sobre o sistema imunológico é resumida de acordo com o eixo hipotalâmico-hipofisário-adrenal. O estresse psicossocial é capaz de ativar o hipotálamo, que secretará o hormônio adrenocorticotrófico, que por sua vez estimulará a glândula adrenocortical a produzir glicocorticoides, dos quais o cortisol tem ação imunossupressora. O córtex adrenal produzirá catecolaminas porque é estimulado pelo sistema nervoso autônomo.

É interessante notar que o comportamento de enfrentamento é um fator determinante no resultado do tratamento periodontal: os resultados são melhores em pacientes que são bons no enfrentamento. A pesquisa mais recente destaca a inteligência emocional; quanto maior, melhores pacientes respondem ao tratamento periodontal.

Como devemos lidar com o estresse?
Devemos diagnosticar o estresse em nossos pacientes e direcioná-los para terapeutas especializados. No entanto, os pacientes não são os únicos que sofrem de estresse; odontologia é uma profissão altamente estressante. Portanto, é importante detectar o estresse cedo e gerenciá-lo com eficiência. Sabemos mais agora do que nunca sobre as causas do estresse, como ele funciona, suas conseqüências e antídotos. Para começar, podemos adotar um estilo de vida saudável e seguir algumas recomendações. O esporte é a maneira ideal de reduzir o estresse, já que a atividade física libera a energia acumulada por situações estressantes. Qualquer que seja o esporte que se escolha, deve-se desfrutar e estabelecer metas alcançáveis no começo. Alguns preferem o relaxamento com ioga ou meditação, incluindo a Redução do Estresse Baseada na Meditação.

Também foi demonstrado que estas técnicas estimulam diretamente as regiões do cérebro associadas ao bem-estar, relaxam os músculos e têm um efeito analgésico. Ter interações sociais agradáveis e evitar o isolamento reduz a secreção de cortisol. Da mesma forma, técnicas de relaxamento reduzem a concentração de catecolaminas.

O estresse é o sinal de alarme do nosso corpo e é importante detectá-lo. Pode continuar sendo nosso amigo se escutarmos. No entanto, se ignorarmos os sinais de alerta e não conseguirmos recuperar o equilíbrio interno, ele poderá rapidamente se tornar nosso pior inimigo.

Nota editorial: Uma lista de referências pode ser obtida do editor.

Comments are closed here.

© 2019 - All rights reserved - Dental Tribune International