DT News - Brazil - Relação de linfonodo pode predizer gravidade do câncer de cavidade oral

Search Dental Tribune

Relação de linfonodo pode predizer gravidade do câncer de cavidade oral

Um recente estudo americano descobriu que a relação entre os linfonodos pode indicar o risco de recorrência do câncer da cavidade oral e o evento da morte. (Fotografia: Photographee.eu/Shutterstock)

sex. 22 fevereiro 2019

guardar

AURORA, Colorado, EUA: Como o câncer de cavidade oral é muitas vezes descoberto tardiamente em seu desenvolvimento, os pacientes com essa forma avançada de doença têm uma taxa de sobrevida de 5 anos de apenas 40%. Pesquisadores da Universidade do Colorado em Denver (CU Denver) descobriram agora que a relação do nódulo linfático (LNR) fornece uma indicação para a gravidade do câncer da cavidade oral. Esse conhecimento pode não apenas ajudar os pacientes a prever melhor o curso de sua doença, mas também pode ajudar os médicos a escolher o tratamento pós cirúrgico mais adequado.

Pesquisadores do Centro de Câncer da CU Denver coletaram informações de 149 pacientes tratados no UCHealth University of Colorado Hospital com cirurgia e ou tratamentos pós cirúrgicos para câncer de cavidade oral localmente avançado de 2000 a 2015, a fim de buscar padrões nos dados coletados.

"Queríamos saber se as características desses pacientes, seus tumores ou seu tratamento poderiam prever a sobrevida", disse o primeiro autor Ding Ding , um estudante de medicina do Departamento de Radiação Oncológica da CU Denver.

Como primeiro passo do estudo, os pesquisadores confirmaram um punhado dos fatores de risco esperados – com base em resultados de estudos anteriores – como ser não branco, sem seguro ou segurado pelo Medicaid, ter um tumor primário maior , ter “margens” ao redor do tumor que testou positivo para câncer, mesmo após a cirurgia, ou com tumores que já haviam invadido os tecidos circundantes, todos previram taxas de sobrevida global mais curtas.

Outro fator que é comumente usado em modelos que prevêem risco de câncer é a extensão do envolvimento dos linfonodos. "O atual sistema de estadiamento nodal para câncer de cavidade oral é baseado no tamanho, número, lateralidade e disseminação do tumor fora da parede dos linfonodos envolvidos", explicou Ding. “Em outros tipos de cânceres, como o câncer de mama, os pesquisadores vêm explorando outra medida do envolvimento de linfonodos, ou seja, se a proporção de linfonodos removidos cirurgicamente que são positivos para o câncer pode prever os resultados do tratamento. Nós nos perguntamos se LNR, poderia ser um preditor de sobrevivência no câncer de cavidade oral, também. ”

Todos os participantes do estudo tinham uma media de 29 linfonodos removidos durante a cirurgia. Cerca de 9% desses linfonodos foram positivos para câncer. Isso significa que alguns pacientes tiveram um LNR acima de 10%, enquanto outros tiveram LNR especialmente baixo ou mesmo zero. O estudo constatou que pacientes com um LNR maior do que 10 por cento tinham cerca de duas vezes e meia um risco maior de recorrência de câncer e 2,7 vezes maior risco de morte do que pacientes com um LNR abaixo de 10 por cento.

“Em nosso estudo, o LNR pareceu ser mais preditivo dos desfechos dos pacientes do que o método tradicional de estadiamento linfonodal. Estudos em escala maior são necessários para verificar esses achados e pode valer a pena explorar maneiras de incorporar o LNR no modelo atual para avaliar os riscos de recorrência ”, acrescentou Ding.

Pacientes com doença agressiva devem receber quimioterapia e radiação mais intensivas após a cirurgia, enquanto outros com doença menos agressiva freqüentemente abandonam a extensão desses tratamentos. Assim, o estudo contribui para um crescente corpo de evidências que apóiam o uso de LNR para identificar pacientes com maior risco de recorrência e morte por câncer de cavidade oral localmente avançado.

O estudo, intitulado "Associação entre razão de linfonodo e recorrência e os resultados de sobrevida em pacientes com câncer de cavidade oral", foi publicado online em 15 de novembro de 2018 em JAMA Otolaryngology–Head & Neck Surgery.

advertisement
advertisement