Pesquisadores apresentam novo dispositivo para medir a acidez do biofilme dental

Search Dental Tribune

Pesquisadores apresentam novo dispositivo para medir a acidez do biofilme dental

E-Newsletter

The latest news in dentistry free of charge.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.
O-pH, uma ferramenta odontológica recentemente desenvolvida por pesquisadores da Universidade de Washington, usa luz azul e um corante especial para ajudar os dentistas a rastrear a acidificação do biofilme nos dentes. (Imagem: RomanR/Shutterstock)

SEATTLE, EUA: As ferramentas de diagnóstico atuais medem a presença de cárie, em vez de avaliar o risco de desenvolver cárie. O monitoramento de rotina da produção de ácido do biofilme dental pode ajudar a entender as mudanças de pH como um indicador de risco de cárie. Buscando melhorar o monitoramento da saúde bucal, pesquisadores da Universidade de Washington criaram uma nova maneira de medir o nível de pH do biofilme oral que permite o rastreamento prático da acidificação do biofilme, um feito que as metodologias anteriores não alcançaram satisfatoriamente.

O protótipo do sensor óptico de pH, O-pH, foi desenvolvido por uma equipe liderada pelo Dr. Eric Seibel, professor pesquisador de engenharia mecânica da universidade, e Manuja Sharma, estudante de doutorado no Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação da universidade. O dispositivo usa luz azul para excitar o corante de fluoresceína e coleta a luz fluorescente emitida. O corante de fluoresceína entra rápida e efetivamente na matriz extracelular do biofilme, e sua intensidade de emissão é diretamente proporcional ao biofilme extracelular. O-pH mede o pH na faixa média do biofilme dental, de 4,0 a 7,5.

Em um comunicado à imprensa, Sharma explicou: “Este ácido é o que causa a corrosão da superfície do dente e, eventualmente, as cáries. Então, se conseguirmos capturar informações sobre a atividade ácida, podemos ter uma ideia de como as bactérias estão crescendo no biofilme dental, ou placa”.

Os pesquisadores testaram o dispositivo em um estudo in vivo em 30 pacientes pediátricos para estabelecer a relevância clínica do pH do biofilme dental e desenvolver um protocolo adequado para uso clínico padrão do dispositivo.

“Precisamos de mais resultados para mostrar o quão eficaz é para o diagnóstico, mas definitivamente pode nos ajudar a entender quantitativamente parte da sua saúde bucal”, disse Sharma. “Também pode ajudar a educar os pacientes sobre os efeitos do açúcar na química da placa. Podemos mostrar a eles, ao vivo, o que acontece, e essa é uma experiência que eles lembrarão e dirão: OK, tudo bem, preciso reduzir o açúcar!”

Embora os dispositivos existentes usem luz azul para excitar a porfirina que existe no biofilme oral e depois capturar essa fluorescência, seu sucesso é limitado a apenas alguns grupos bacterianos encontrados na boca que produzem porfirina, descartando assim mais de 700 outros micróbios que compõem o biofilme.

Outros dispositivos usam LEDs, algoritmos de computador e câmeras para ajudar os pacientes odontológicos a ver melhor o biofilme e motivar uma melhor higiene bucal, mas nenhum no mercado é capaz de rastrear efetivamente a acidificação real do biofilme. É saber os níveis de pH que é fundamental, pois a presença de biofilme em si não significa que as bactérias que o causam sejam prejudiciais ou que causarão cáries.

A equipe pretende continuar a pesquisa incorporando imagens para indicar áreas de alta acidez.

O estudo, intitulado “O-pH: Optical pH monitor to measure oral biofilm acidity and assist in enamel health monitoring”, foi publicado on-line em 23 de fevereiro de 2022 no IEEE Transactions on Biomedical Engineering , antes de ser incluído em uma edição.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

advertisement