DT News - Brazil - Limitar o contato entre bactéria e fungo pode reduzir cáries em crianças

Search Dental Tribune

Limitar o contato entre bactéria e fungo pode reduzir cáries em crianças

Pesquisadores descobriram que um tipo específico de fungo pode trabalhar em sintonia com uma bactéria danosa estimulando a formação de cáries na primeira infância. (Imagem: Maxx-Studio/Shutterstock)
Dental Tribune International

Dental Tribune International

seg. 7 agosto 2017

guardar

Filadélfia, EUA: Um agente primário na cárie dental é geralmente uma bactéria como a Streptococcus mutans. Entretanto, nova pesquisa de uma equipe da Faculdade de Odontologia da Universidade da Pensilvânia descobriu que Candida albicans, um tipo de fungo, pode trabalhar em sintonia com esta bactéria danosa na formação de cáries na primeira infância.

Em um estudo conduzido anteriormente, a equipe descobriu que a interação entre C. albicans e uma enzima produzida pela S. mutans conduz ao desenvolvimento de um biofilme obstinado. Na nova pesquisa, eles aprenderam qual molécula superficial do C. albicans interage com a enzima para produzir esse biofilme. O Prof. Hyun (Michel) Koo, do Departamento de Ortodontia e divisões da Odontopediatria e Saúde Bucal da Comunidade da universidade, foi o autor líder do estudo e explicou que prevenir a interação pode combater a cárie resultante.

“Ao invés de apenas ter como alvo a bactéria para tratar cáries na primeira infância, nós também podemos focar o fungo”, disse Koo.

“Nossos dados fornecem indícios de que você não precisa usar um amplo espectro antimicrobiano e pode ser capaz de ter como alvo a enzima ou parede da célula do fungo para romper a formação de biofilme”.

O consumo de alimentos e bebidas com alto teor de açúcar por crianças é um dos meios em que esse biofilme é criado. Isso ocorre porque o C. albicans só é capaz de unir-se ao S. mutans e formar a placa na presença do açúcar.

O estudo, intitulado “Candida albicans mannans mediate Streptococcus mutans exoenzyme GtfB binding to modulate cross-kingdom biofilm development in vivo”, foi publicado on-line em 15 de junho na revista PLOS Pathogens.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

advertisement
advertisement