Dental Tribune Brazil

Escolhendo o enxaguante bucal certo em tempos de pandemia

By Curaden
October 16, 2020

KRIENS, Suíça: o SARS-CoV-2 foi detectado na saliva de 91,7% das pessoas infectadas com o vírus. Isso significa que os profissionais da odontologia são particularmente vulneráveis à infecção e é recomendado que os pacientes enxáguem com um antisséptico bucal por 30 segundos antes de qualquer tipo de tratamento. Pesquisadores da Université de Lyon publicaram um documento de posicionamento indicando quais ingredientes um enxaguatório bucal deve conter para reduzir efetivamente a carga viral da SARS-CoV-2 na boca.

A cavidade oral é a principal porta de entrada para agentes infecciosos e está diretamente associada à infecção por SARS-CoV-2 e à progressão da doença devido à inalação e expectoração. Além disso, quanto maior a carga viral de uma pessoa na microbiota salivar e nasofaríngea, maior o risco de transmissão de doenças. Para que a equipe odontológica trabalhe com maior segurança, recomenda-se que os pacientes enxáguem três vezes com enxaguatório na véspera da consulta e enxáguem por 30 segundos imediatamente antes de qualquer tipo de tratamento.

Embora a maioria dos enxaguantes bucais contenha ingredientes ativos projetados para matar ou inibir bactérias orais patogênicas, eles não exercem nenhuma ação antiviral específica. Um paper da Carrouel et al. Publicado no Journal of Clinical Medicine  destaca duas substâncias específicas que podem reduzir a carga viral salivar da SARS-CoV-2: Citrox e beta-ciclodextrina.

Os ingredientes

Devido à sua atividade antimicrobiana de amplo espectro, as preparações de flavonóides, como Citrox, podem desempenhar um papel importante na inibição da protease quimiotripsina SARS-CoV-2, bem como na supressão das respostas imunes inatas do hospedeiro. Além disso, o vírus é vulnerável à oxidação, tornando um agente oxidante como o Citrox um ótimo candidato para um ingrediente para enxágue bucal.

As moléculas de ciclodextrina atraem os vírus antes de torná-los irreversivelmente inativos. Ao romper a camada externa de um vírus, as moléculas podem destruir partículas infecciosas por simples contato. Além disso, as beta-ciclodextrinas são notavelmente biocompatíveis, têm imunogenicidade muito baixa, são econômicas e estão amplamente disponíveis.

 Um apelo à ação

Enxaguantes bucais contenco a combinação de beta-ciclodextrinas e Citrox estão disponíveis. No entanto, seu uso atual é restrito à inibição de bactérias cariogênicas e periodontais. Em seu documento de posição, os pesquisadores pedem às agências nacionais e às autoridades que iniciem ensaios clínicos para avaliar os efeitos preventivos desses enxágues contra a infecção por SARS-CoV-2 e a progressão da doença.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

© 2021 - All rights reserved - Dental Tribune International