Entrevista: “Profissionais da Odontologia podem ser fundamentais para ajudar” a reconhecer doenças autoimunes

Search Dental Tribune

Entrevista: “Profissionais da Odontologia podem ser fundamentais para ajudar” a reconhecer doenças autoimunes

E-Newsletter

The latest news in dentistry free of charge.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.
Em duas apresentações no Encontro de Inverno da Chicago Dental Society, Karen Davis discutiu uma série de doenças crônicas e condições que os dentistas podem testemunhar em seus pacientes. (Imagem: puhhha/Shutterstock)

O Encontro de Midwinter da Chicago Dental Society, fevereiti deste ano, voltou ao formato presencial com entusiasmo. Mais de 250 cursos foram apresentados por 150 palestrantes e proporcionarão muitas oportunidades para os participantes aprenderem sobre os mais recentes avanços da ciência da saúde bucal e odontológica. Antes do evento, o Dental Tribune International conversou com Karen Davis, uma higienista dental registrada, apresentou duas sessões: “Dor invisível: realidades dentro do mundo das condições autoimunes” e “Fatores de risco: cannabis, câncer e dor crônica”.

Karen Davis, higienista dental. (Imagem: Karen Davis)

Sra. Davis, como os tópicos de cannabis, câncer e dor crônica se relacionam com a prestação diária de Odontologia?
Embora possam parecer não relacionados à primeira vista, quando você considera o número crescente de pacientes que usam cannabis por motivos médicos e recreativos, é importante avaliar os potenciais benefícios, riscos e consequências orais do uso de cannabis. Embora existam muitos caminhos pelos quais se pode consumir cannabis, fumar ainda continua sendo o método mais prevalente, especialmente quando o efeito desejado é o alívio imediato da dor crônica. Os profissionais de Odontologia - inclusive eu - precisam de uma ampla compreensão desse tópico, e este curso ajuda a desvendar a ciência do uso terapêutico da cannabis, o hype sobre ela e seu potencial.

Em sua experiência, as condições autoimunes são mais prevalentes em algum grupo específico de pacientes odontológicos?
Em geral, as mulheres correm maior risco para a maioria das doenças autoimunes, com exceção da espondilite anquilosante e diabetes tipo 1, que são mais comuns em homens. As doenças autoimunes não são apenas prevalentes, mas também estão crescendo em incidência, de modo que os profissionais de Odontologia se beneficiarão de insights sobre seu mundo, pois muitos de nossos pacientes que sofrem de doenças autoimunes parecem perfeitamente em forma por fora enquanto, dentro de seus corpos, estão enfrentando dores crônicas , fadiga, depressão e inflamação crônica.

“Em geral, as mulheres correm mais risco de contrair a maioria das doenças autoimunes”

Há espaço para os dentistas diagnosticarem pacientes com doenças autoimunes ou encaminharem um caso suspeito para um especialista?
Existem algumas doenças autoimunes que apresentam manifestações orais como indicadores precoces para o diagnóstico. É importante que os profissionais de Odontologia sejam capazes de conectar esses pontos e levantar dúvidas ao ver essas apresentações orais, o que certamente pode levar a encaminhamentos de especialistas para um diagnóstico preciso.

A maioria dos pacientes com doenças autoimunes espera, em média, cinco a seis anos para um diagnóstico preciso. Os profissionais da Odontologia podem ser fundamentais para ajudar a diminuir essa janela, por possuírem uma melhor compreensão do que procurar, bem como entender a melhor forma de cuidar desse crescente corpo de indivíduos, uma vez que eles permanecem em maior risco de doenças dentárias.

O que você espera que os participantes tirem de suas apresentações?
É sempre meu objetivo equipar os profissionais de Odontologia com aplicações clínicas pertinentes, para que possam implementar estratégias imediatas para cuidar dos pacientes de forma mais abrangente. A dinâmica oral-sistêmica exige que aumentemos continuamente nosso conhecimento sobre como intervir, colaborar e tratar os pacientes, com o objetivo de aumentar o tempo de saúde e o tempo de vida.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

advertisement
advertisement