DT News - Brazil - Teste de saliva em instalações odontológicas pode ajudar a diagnosticar doenças fatais

Search Dental Tribune

Teste de saliva em instalações odontológicas pode ajudar a diagnosticar doenças fatais

Professor adjunto de biologia e fisiologia integradas, Xinshu Xiao (esquerda) e Dr. David Wong conduziram o estudo juntos. (Foto: Reed Hutchinson/UCLA)
Dental Tribune International

Dental Tribune International

dom. 4 janeiro 2015

guardar

LOS ANGLES, EUA: Fluido salivar se tornou um meio emergente para a detecção de doenças orais e sistêmicas, bem como para o monitoramento da saúde nos anos recentes. Agora, um estudo conduzido na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), demonstra que um simples teste de saliva realizado em clínicas de odontologia pode ser capaz de diagnosticar doenças graves, como a diabete e câncer em estágio inicial.

A escola de odontologia da UCLA tem pesquisado biomarcadores na saliva por mais de uma década. No presente estudo os pesquisadores analisaram 165 milhões de sequências genéticas e descobriram que a saliva contém vários ARNs (Ácido ribonucleico), que são biomarcadores para doenças, e podem assim ser utilizados para detectar e monitorar doenças.

 De acordo com os pesquisadores o estudo é a analise mais compreensiva já conduzida sobre as moléculas ARN da saliva. Ele constatou que a saliva contém muitas das moléculas, também presentes no sangue, que podem revelar doenças. No geral eles conseguiram identificar mais de 400 ARN circulares na saliva humana, incluindo 327 formas que eram até então desconhecidas. Ao comparar níveis de micro ARN da saliva aos do sangue e outros fluidos corporais, eles também constataram que esses níveis são muito similares, indicando que uma amostra de saliva poderia servir como uma boa amostra de micro ARN no corpo.

 Dr. David Wong, autor sênior do estudo e reitor associado de pesquisa da escola, sugere que dentistas podem, no futuro, conseguir retirar amostras de saliva para analisar diversas doenças, incluindo diabetes tipo 2 e câncer gástrico. As descobertas também podem levar a uma nova categoria de aparelhos de autodiagnóstico, disse ele.

O estudo foi publicado em janeiro de 2015 em uma edição especial da revista Clinical Chemistry, intitulado “Diagnóstico Molecular: Uma revolução em progresso”.

To post a reply please login or register
advertisement
advertisement