DT News - Brazil - Entrevista: “A prevenção não é apenas para crianças e jovens”

Search Dental Tribune

Entrevista: “A prevenção não é apenas para crianças e jovens”

O professor Ivo Krejci recomenda uma abordagem para a prevenção da cárie que é focada no treinamento odontológico ao longo da vida. (Foto: Ivo Krejci)

qua. 2 janeiro 2019

guardar

Há três anos, o professor de Cariologia e Endodontologia Ivo Krejci da Universidade de Genebra, Suíça, publicou um artigo em que defendia que a motivação profissional, a instrução e os exames, bem como as terapias não invasivas e precisas, deveriam ser a competência central de uma equipe de prática para manter a saúde bucal. O Dental Tribune International falou com ele sobre suas afirmações.

Prof. Krejci, qual é a sua principal mensagem quando se trata de profilaxia moderna de cáries?
O objetivo da odontologia moderna não é o reparo temporário de sintomas clínicos pesados ​​na forma de grandes lesões em decaimento e bolsas periodontais profundas, mas sim a saúde bucal ao longo da vida da população, que defino como ausência de sintomas clínicos. Meu artigo focou em um aspecto desse conceito, a saber, as causas, sintomas e tratamento da cárie, uma infecção crônica do biofilme, cujos sintomas clínicos, sob a forma de lesões em decomposição, ainda são algumas das razões mais comuns de extrações. Estou ciente de que estou falando contra a opinião comum de ensino, que trata as cáries e a periodontite como doenças não transmissíveis, mas seria demais para essa entrevista explicar detalhadamente as razões para essa postura.

Além da fluoretação cada vez mais criticada, o cálcio biodisponível, a neutralização ácida e os substitutos inofensivos do açúcar podem ser identificados como fatores importantes na prevenção dos sintomas de cárie, na medida em que o paciente não queira reduzir o consumo excessivo de açúcar. Três outras medidas são pelo menos tão importantes: em primeiro lugar, o diagnóstico precoce da cárie inicial; em segundo lugar, a motivação profissional ao longo da vida, a instrução e o acompanhamento de uma rotina de atendimento odontológico domiciliar eficiente e atraumática, no sentido da prevenção primária; e, em terceiro lugar, o uso de restaurações com adesivos não invasivos para parar ou pelo menos retardar os sintomas de cárie subclínica no sentido de profilaxia secundária. Restaurações compostas minimamente invasivas diretas e indiretas complementam essa filosofia em pacientes que entram nesse conceito com grandes lesões decompostas existentes ou com restaurações existentes.

Por que ainda separamos a profilaxia periodontal e a profilaxia da cárie?
É difícil dizer, pois os dois problemas têm a ver com imunologia e um biofilme patogênico. Essa separação não faz sentido algum. Devemos sempre falar em cárie simultânea e profilaxia periodontal, não em problemas separados. Dependendo da situação individual do paciente, o foco pode estar mais na profilaxia da cárie e / ou periodontite, mas não deve ser esquecido que um conceito orientado para a prevenção ao longo da vida deve levar em conta não apenas cáries e periodontites, mas também erosão, abrasão, trauma, desalinhamento dentário e infração.

O senhor mencionou o biofilme patogênico. O que o senhor recomenda: remover completamente ou interromper o biofilme?
O biofilme realmente protege nossos dentes, portanto, é vital para a sobrevivência. Sua remoção permanente da boca seria, portanto, contraproducente. Através de sua infecção atualmente inevitável com bactérias que causam cáries e periodontites, torna-se potencialmente patogênico. Esta patogenicidade só pode se desenvolver se duas condições estiverem presentes: em primeiro lugar, o biofilme deve ser suficientemente estruturado, o que requer cerca de 24 a 48 horas após a sua formação, e em segundo lugar, certos parâmetros devem estar presentes. Um exemplo disso é o excesso repetido de açúcar no processo de cárie.

Essas deduções formam a base do conceito preventivo: aceitamos o biofilme infectado e potencialmente patogênico e não o removemos permanentemente da boca. Reconhecemos que uma mudança nas condições - por exemplo, através de uma drástica redução no consumo de açúcar - seria muito bem-vinda, mas difícil de implementar a longo prazo na prática. Portanto, nos aproximamos da estrutura do biofilme e impedimos que sua patogenicidade se desenvolva. A solução é simples: nós temos que regularmente, isto é, a cada 24 horas, interromper a estrutura do biofilme intensivamente em todas as superfícies do dente. Produtos químicos e medicamentos não ajudam muito, já que o biofilme tem mecanismos de defesa muito potentes.

Em seu artigo, o senhor  falou sobre o treinamento odontológico ao longo da vida. O que o senhor quer dizer com isso?
A prevenção não é apenas para crianças e jovens. Como a cárie e a periodontite são infecções ao longo da vida e lesões em decomposição, bolsas periodontais, erosão, escoriações, traumas e infrações dentárias podem surgir em qualquer idade, a profilaxia vitalícia é inevitável. Este treinamento odontológico ao longo da vida baseia-se nas medidas preventivas já mencionadas, complementadas por monitoramento profissional regular com diagnósticos de alta tecnologia para detectar sintomas no estágio subclínico, permitindo assim a terapia não invasiva quando necessário.

Terapia, diagnósticos, prevenção - quais são suas recomendações concretas?
Não podemos prever com suficiente segurança quanto do risco o paciente tem de desenvolver com sintomas na forma de lesões em decomposição ou bolsas periodontais. É ainda mais difícil fazer isso para áreas específicas do dente. E mesmo que pudéssemos, as coisas podem mudar a qualquer momento. O risco de pouca ou muita prevenção na superfície dentária errada é, portanto, muito alto. Isso se aplica à erosão, abrasões e infrações da mesma maneira. É por isso que é mais eficiente na odontologia de hoje esperar que os sintomas se desenvolvam, fornecendo informações de risco específicas do local. No entanto, se esperarmos por tempo suficiente para que os sintomas sejam clinicamente visíveis, já é tarde demais e recorreremos à odontologia do século XIX. Se alguém tem a oportunidade diagnóstica de reconhecer sintomas muito antes de sua manifestação clínica, tal conceito repentinamente se torna muito interessante.

Sabemos que leva anos para que sintomas clinicamente evidentes se desenvolvam tanto na cárie quanto na periodontite. Se os diagnósticos forem realizados com confiabilidade suficiente e se houver métodos diagnósticos disponíveis que captem os sintomas no estágio subclínico, teremos tempo suficiente para lidar com esses sintomas com métodos não invasivos.

Como dentistas, abordamos apenas os sintomas da cárie com nossos métodos restauradores. Por razões técnicas e práticas, costumávamos tratar os sintomas apenas em um estágio posterior, quando as lesões em decomposição já haviam se desenvolvido em cavidades, porque os diagnósticos não eram tão avançados e a terapia restaurativa era baseada em princípios macro mecânicos. Nós precisávamos do buraco para que tivéssemos algo para preencher. Hoje, esse conceito não mudou em princípio. Do ponto de vista profissional, ainda estamos tratando sintomas, mas temos outras ferramentas e terapias de diagnóstico, portanto, não precisamos de macro retenções para restauração. Isso nos permite agir muito mais cedo e usar terapias não invasivas.

Devemos nos concentrar na profilaxia primária ou secundária?
A profilaxia primária individual é a base de tudo, mas ninguém é perfeito. Com as ferramentas de profilaxia primária que temos hoje, não poderemos salvar a humanidade; apesar de nossos melhores esforços, surgirão sintomas. É por isso que nosso conceito não é baseado apenas na profilaxia primária. Também integra a profilaxia secundária, que visa interromper os sintomas de forma não invasiva nos estágios iniciais, para que eles não se tornem clinicamente mais graves. A prevenção secundária não invasiva parece-me a ferramenta de escolha, dadas às circunstâncias atuais e os recursos disponíveis hoje.

Na sua opinião qual o papel da higiene oral domiciliar individual na profilaxia da cárie?
A higiene bucal domiciliar individual pelo paciente é o aspecto mais importante para mim. Pode parecer presunçoso, mas muitas pessoas não podem escovar e não sabem quais ferramentas, produtos e técnicas são as melhores e mais eficientes para suas situações individuais. Estou convencido de que a higiene bucal em casa só pode ter um efeito a longo prazo quando é supervisionada por um profissional da área odontológica. Esse profissional não pode curar o paciente, e não faria sentido para o profissional remover com perfeição o biofilme do paciente a cada dia, pois isso exigiria que o paciente fosse à clínica todos os dias. Mesmo que ele ou ela pudesse pagar isso, isso levaria ao caos do transporte público e faria muito pouco sentido. Portanto, é mais sensato delegar esse trabalho ao paciente e informá-lo, educá-lo e monitorá-lo quando necessário, bem como corrigi-lo e motivá-lo quando necessário, não apenas uma vez, mas sempre.

Escova de dentes manual ou elétrica, escova dental ou interdental, creme dental com ou sem flúor - o caso individual deve estipular quais ferramentas são necessárias. Como profissionais de odontologia, temos o conhecimento para fornecer o diagnóstico correto e para orientar o paciente sobre quais ferramentas, produtos e técnicas seriam mais eficazes, mais rápidas e mais baratas para suas circunstâncias individuais. Ainda podemos nos envolver se a terapia profissional for necessária e antes que surjam sintomas clinicamente visíveis.

Finalmente, como está sua própria higiene bucal?
Muito boa. Embora eu tenha tido que passar pela odontologia dos anos 60 quando criança, ainda tenho todos os meus dentes vitais e eles estão indo bem. O que ajuda é que minha esposa é uma higienista dental. Ela é a melhor coisa que poderia ter acontecido comigo em muitos aspectos.

Muito obrigado pela entrevista.

 

Nota editorial: O artigo do Prof. Krejci , intitulado “Lebenslanges ' DentalCoaching ' anstelle ästhetischer Zahnmedizin”, foi publicado na Bayerisches Zahnärzteblatt.

advertisement
advertisement