Dental Tribune Brazil

Descobriu-se que dentistas turcos prescrevem antibióticos em excesso para infecções endodônticas

By Dental Tribune International
September 29, 2020

ANKARA, Turquia: É bem sabido que a resistência aos antibióticos é um problema crescente e que algumas bactérias se tornaram resistentes até mesmo aos medicamentos mais poderosos. No entanto, é frequente descobrir que os dentistas prescrevem antibióticos desnecessariamente. Um estudo recente confirmou que este é o caso dos dentistas na Turquia e também examinou as situações clínicas que levam a esse tipo de decisão.

Em 2019, pesquisadores da Oregon State University em Corvallis nos EUA descobriram que antibióticos prescritos por dentistas como profilaxia contra infecções são desnecessários 81% das vezes. Um estudo mais específico realizado pela Dra. Derya Deniz Sungur e sua equipe na Universidade Hacettepe em Ancara examinou os padrões de prescrição de antibióticos para infecções endodônticas com base em relatórios de dentistas turcos que, ao que parece, também têm tendência a prescrever em excesso. Uma pesquisa composta por 20 perguntas sobre informações gerais e 13 perguntas sobre padrões de prescrição de antibióticos para casos endodônticos foi entregue aos endereços de e-mail de dentistas gerais e especialistas listados no banco de dados da Associação Odontológica Turca.

Um total de 1.007 respostas foram obtidas de 17.827 dentistas. Dessas respostas, a maioria (80%) era de dentistas gerais, enquanto 8% eram de endodontistas. Os dentistas gerais prescreveram antibióticos duas vezes mais do que os especialistas, e os dentistas nos hospitais públicos prescreveram antibióticos três vezes mais do que os especialistas e os clínicos acadêmicos.

A amoxicilina com ácido clavulânico foi o antibiótico mais prescrito (90%), seguido do ornidazol (25%). A clindamicina foi o medicamento de escolha prescrito para pacientes com alergia à penicilina (59%). Infecção e controle da febre (76%), profilaxia (44%) e evitar edema e trismo durante o tratamento endodôntico (26%) foram os motivos mais comuns para a prescrição de antibióticos. Completar um curso de antibióticos prescritos foi recomendado pela maioria dos médicos (75%).

Cerca de 10% dos participantes prescreveram antibióticos para pulpite irreversível sintomática, periodontite apical assintomática com tratamento endodôntico e periodontite apical assintomática sem tratamento endodôntico (8%, 12% e 11%, respectivamente). Até 20% dos dentistas prescreveram antibióticos para periodontite apical sintomática quando a polpa estava vital ou necrótica (13% e 23%, respectivamente). Quase um terço dos participantes prescreveram antibióticos para periodontite apical sintomática de dentes previamente tratados com ou sem lesões radiográficas, enquanto 34% prescreveram antibióticos para abscessos apicais agudos com edema localizado sem envolvimento sistêmico.

Sungur, uma professora assistente do Departamento de Endodontia da universidade, disse ao Dental Tribune International em uma entrevista que ela queria criar uma consciência sobre este assunto, pois ela o considera muito inquietante. Ela disse: “Em nosso desenho de estudo, queríamos descrever as doenças claramente com seus achados radiográficos e clínicos e não apenas o resultado final da doença. A razão para isso é que, pessoalmente, descobri que os dentistas gerais não conseguem distinguir as doenças endodônticas da mesma forma que nós, como endodontistas, podemos. Por exemplo, eles podem pensar que a periodontite apical assintomática é vital! Então, aqui, os casos estão realmente bem definidos, mas, nas clínicas, os dentistas às vezes não consideram a vitalidade, por exemplo, e principalmente se o paciente está com dor, eles podem prescrever antibióticos.”

Ela prosseguiu dizendo que os resultados percentuais estão abaixo de suas expectativas iniciais. “Acho que é um resultado natural que está relacionado a esse tipo de estudo. Em pesquisas, quando os participantes estão avaliando uma situação definida, eles podem expressar suas conclusões de forma diferente do que quando estão cara a cara com o próprio problema em condições clínicas”, acrescentou Sungur.

Os cientistas esperam que esta pesquisa ajude pesquisas futuras e acrescente uma perspectiva diferente ao tema, pois não são apenas as taxas de prescrição que são importantes, mas também os vários tipos de situações que levam os profissionais da odontologia a decidirem prescrever antibióticos. Isso pode incluir dor, terapia de canal anterior, trato sinusal e outros fatores, como demandas do paciente ou falta de tempo.

O estudo, intitulado “The prescribing of antibiotics for endodontic infections by dentists in Turkey: A comprehensive survey”,, foi publicado online em 17 de agosto de 2020 no International Endodontic Journal, antes da inclusão em uma edição.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Latest Issues
E-paper

DT Brazil No. 3, 2015

Open PDF Open E-paper All E-papers

© 2020 - All rights reserved - Dental Tribune International