Dental Tribune Brazil

Crianças com deficiências imunológicas têm maior probabilidade de desenvolver doença periodontal

April 28, 2021

LONDRES, Reino Unido: Imunodeficiência primária (PID- sigla em inglês) é caracterizada por uma parte ausente ou com funcionamento insuficiente do sistema imunológico do corpo. Inerente desde o nascimento ou adquirido mais tarde na vida, o distúrbio inibe a capacidade do corpo de lutar contra todos os tipos de infecções. Uma nova pesquisa também descobriu que, uma vez que crianças com DIP não têm defesa natural contra a microbiota oral que causa a doença periodontal, elas são mais suscetíveis a desenvolver gengivite do que crianças sistemicamente saudáveis.*

De acordo com um relatório publicado no Journal of Translational Immunology, 4.758 pacientes foram inscritos no registro de Imunodeficiência Primária do Reino Unido em agosto de 2017. Conforme detalhado em um editorial publicado no Frontiers in Immunology no ano passado, a incidência mundial de pessoas com PID é um em 10.000, e o distúrbio é mais prevalente em crianças. Embora a taxa de incidência seja comparativamente baixa, os pesquisadores identificaram mais de 300 doenças associadas à DIP até o momento, razão pela qual suas complicações variam muito, dependendo do tipo de distúrbio que o paciente tem.

Como as crianças com DIP são mais propensas a desenvolver infecções frequentes e graves que comprometem sua saúde geral, mais pesquisas precisam ser feitas para melhorar a compreensão do diagnóstico, dos sintomas e do tratamento da doença.

Imunodeficiência primária e saúde bucal

Em um estudo recente, pesquisadores avaliaram a ligação entre PIDs relacionados a neutrófilos e a presença de doenças periodontais e outras doenças orais, bem como a resposta de crianças com PIDs ao tratamento periodontal.

“A motivação veio de ver algumas crianças muito pequenas com doença periodontal avançada e resposta fraca ao tratamento. Alguns deles acabaram com dentaduras desde muito jovens, daí a necessidade de compreender melhor os mecanismos da doença”, disse o autor principal, Dr. Luigi Nibali, professor de periodontia do King’s College London, ao Dental Tribune International (DTI).

O estudo foi realizado no Great Ormond Street Hospital e no Royal London Hospital por pesquisadores do King’s College London e Queen Mary University of London e incluiu 24 crianças de 4 a 16 anos com PIDs e 24 crianças da mesma idade sem PIDs. Todas as crianças foram submetidas a um exame clínico odontológico que incluiu medição da profundidade da bolsa periodontal, perda de inserção clínica e sangramento à sondagem.

Os pesquisadores descobriram que um certo nível de cárie dentária na boca, que geralmente não representa uma ameaça à saúde sistêmica, leva à gengivite em crianças com PIDS.

“Sabe-se que a prevalência de condições bucais e doenças periodontais aumenta em crianças afetadas por PIDs, pois parecem particularmente suscetíveis devido ao papel defensivo crucial dos neutrófilos contra bactérias periodonto-patogênicas”, disse o co-autor Dr. Hiten Halai, palestrante clínico em periodontia no King's College London, em um comunicado à imprensa.

“Além disso, sua resposta ao tratamento periodontal é altamente variável, e a presença de periodontite freqüentemente leva à perda precoce do dente. No entanto, a maioria dos trabalhos publicados sobre isso até agora consistia em relatos de casos, com falta de boas evidências”, acrescentou.

O estudo também descobriu que as crianças com PIDS tinham maiores chances de sofrer de úlceras orais. Quando solicitado a elaborar sobre o achado, Nibali disse ao DTI que pouco se sabe sobre o motivo pelo qual crianças com PIDs costumam desenvolver úlceras orais, mas que isso pode estar relacionado à sua resposta imunológica e explicou que foi um achado coincidente.

Ele também observou que, embora as descobertas não sejam novas, o estudo oferece fortes evidências sobre o assunto. Portanto, ele acha que é crucial que estudos futuros se aprofundem no entendimento da ligação entre PIDs e doença periodontal e lesões da mucosa oral. Isso, por sua vez, pode melhorar a prevenção e o manejo da doença e melhorar a qualidade de vida das crianças com IDP, acredita. Finalmente, Nibali acredita que mais pesquisas também podem ajudar a encontrar maneiras de aliviar a carga inflamatória sistêmica resultante da inflamação dos tecidos gengivais em crianças com DIP.

“O estudo mostra que crianças com IDPs têm uma resposta mais severa à cárie dentária, o que pode potencialmente levar à doença periodontal avançada. No entanto, se o PID for controlado e uma boa higiene oral e tratamento interceptivo forem alcançados precocemente, a alta suscetibilidade não resulta necessariamente na perda do dente”, concluiu Nibali.

A equipe de pesquisadores planeja continuar trabalhando na compreensão da base genético-microbiana dos problemas relacionados à saúde periodontal de crianças com IDP.

O estudo, intitulado “Periodontal status in children with primary immunodeficiencies”, foi publicado on-line em 3 de abril de 2021 no Journal of Periodontal Research, antes da inclusão em uma edição.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

© 2021 - All rights reserved - Dental Tribune International