Aumento no tempo de espera para a odontologia pública na Austrália

Search Dental Tribune

Aumento no tempo de espera para a odontologia pública na Austrália

E-Newsletter

The latest news in dentistry free of charge.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.
Enquanto o tempo de espera no Território do Norte aumentou para cerca de quatro anos, eles baixaram para cerca de dois meses em Queensland e Western Australia e três meses na Tasmânia. (Fotografia: Suppakrit Boonsat/Shutterstock)

qua. 14 fevereiro 2018

save

DARWIN, Austrália: Tempos de espera excessivamente longos em odontologia pública tem sido um problema na Austrália há algum tempo. Agora, novos números divulgados em uma estimada audiência do Senado em Camberra em outubro mostram que o problema piorou na maioria dos estados, em 2016, especialmente no Território do Norte. Aqui, o período de espera aumentou dramaticamente de 30,8 meses para 45,7 meses, em apenas um ano.

Segundo um relatório do NT News, o tempo de espera médio nacional em 2016 foi de 12,05 meses, com Victoria tendo a segunda maior espera no país com 16 meses e Western Austrália a menor com 2,5 meses. Em comparação com o ano anterior, os números mostram a deterioração da situação na maioria dos estados. Portanto, o tempo de espera aumentou em Victoria (de 12,77 para 16,01), New South Wales (de 12,92 para 14,20), o Território da Capital da Austrália (de 5,56 para 5,95) e Sul da Austrália (de 12,45 para 14,70).

"São grandes aumentos em tempos de espera", disse o Greens Leader Richard Di Natale mediante a ciência sobre os números durante a audiência no Senado. "Quatro anos e ainda estamos cortando o financiamento para assistência odontológica pública?", comentou Di Natale.

Em resposta, o porta voz do Ministério da Saúde, Cormack confirmou que o financiamento de serviços públicos odontológicos na verdade estava escasso. Portanto, um acordo anterior de parceria nacional entre governos estadual e federal, proveu A$155 milhões por ano para serviços públicos odontológicos, enquanto um novo acordo, desde janeiro deste ano até junho de 2019 concede cerca de A$97 milhões de fundos por ano, o NT News relatou.

Segundo o Dr. Ashley Freeman, Australian Dental Association Branch President for the Northern Territory, as extensas listas de espera para tratamento odontológico público não são resultado de total falta de peritos, mas sim a falta de dentistas no setor público.

"O sistema do governo não tem dentistas suficientes para cobrir as pessoas, especialmente em comunidades regionais", disse Freeman. Para aliviar a pressão sobre o sistema público, Freeman, estimulou o governo do Território do Norte a terceirizar mais casos financiados para clínicas dentárias privadas, assim como outros estados têm feito no passado.

Analisa as iniciativas de financiamento do governo federal e estadual e seu impacto sobre o número de pessoas esperando por serviços públicos odontológicos, um estudo de 2016 da University of Queensland, estimou que, dos cerca de um terço da população de Queensland que são elegíveis para serviços públicos odontológicos, cerca de 8 a10 por cento estão na lista de espera para atendimento odontológico.

"Na Austrália, enquanto muitas pessoas aproveitam de uma boa saúde oral, em alguns setores, quem vive uma pobre saúde oral são as pessoas mais vulneráveis que dependem dos serviços públicos odontológicos", disse o principal autor do estudo, Dr. Ratilal Lalloo, da faculdade de odontologia da universidade. "Se suas necessidades não são atendidas em tempo hábil, eles vão sofrer consequências desnecessárias de suas condições orais e, possivelmente, agravar as suas condições".

A fim de atender adequadamente os problemas de saúde oral, uma abordagem preventiva precisa ser incorporada ao lado de financiamento de longo prazo dos serviços públicos odontológicos, Lalloo sublinhou.

Os resultados do estudo, intitulado "Impacto dos Acordos de Parceria Nacional odontológica sobre as listas de espera de serviços odontológicos em Queensland", foram publicados em abril no Australian and New Zealand Journal of Public Health.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

advertisement
advertisement