Dental Tribune Brazil

A má higiene bucal pode afetar a precisão dos testes do SARS-CoV-2

By Jeremy Booth, Dental Tribune International
September 17, 2020

TÓQUIO, Japão: Um estudo conduzido em um hospital de Tóquio descobriu que a má higiene bucal pode levar a uma disseminação viral prolongada em pacientes com COVID-19. No estudo foi observado que pacientes com hábitos inadequados de saúde bucal apresentaram resultados positivos em testes de reação em cadeia da polimerase (PCR) para o vírus muito depois de sua recuperação clínica, levando os pesquisadores a acreditar que a higiene bucal poderia afetar a precisão dos testes para o vírus.

Os pesquisadores avaliaram o percurso do tratamento de oito pacientes diagnosticados com COVID-19 que foram internados no Departamento de Neurologia do Hospital Neurológico Metropolitano de Tóquio entre 30 de abril e 14 de maio. Os pacientes haviam passado da fase aguda da doença, mas foram internados no centro médico dedicado às doenças infecciosas devido aos resultados positivos persistentes do teste de PCR para SARS-CoV-2.

O estudo descobriu que, entre os pacientes, o período de eliminação do vírus ̶  o período durante o qual o vírus ainda era detectável após a recuperação clínica ̶  variou de um a 40 dias. O período médio de eliminação viral foi de 15,1 dias, mas para dois pacientes, Paciente 1 e Paciente 2, continuou por 53,0 dias e 44,0 dias, respectivamente. Para os Pacientes 3-8, dois resultados negativos consecutivos de teste de PCR foram confirmados dentro de 18 dias da recuperação clínica.

Os pesquisadores procuraram estabelecer por que os pacientes 1 e 2 continuaram a testar positivo por um longo período. Eles observaram que os pacientes 3-8 mantiveram suas rotinas de higiene pessoal, que incluia escovação regular de dentes, enquanto hospitalizados em isolamento em quartos particulares do hospital. Os pacientes 1 e 2, no entanto, que apresentavam transtornos mentais e/ou psiquiátricos, não escovaram os dentes voluntariamente durante a internação. Depois de serem instruídos pelos pesquisadores a praticar escovação e gargarejo regulares, os testes de PCR dos Pacientes 1 e 2 apresentaram um resultado negativo em quatro a nove dias.

“A Paciente 1 tinha esquizofrenia e não foi capaz de manter-se limpa voluntariamente durante a vida isolada hospitalizada”, diz o estudo. “Ela escovou os dentes pela primeira vez no 18º dia de internação, mas depois não escovou mais os dentes. O período de eliminação do vírus atingiu 46 dias, com resultados de teste de PCR consistentemente positivos. Especulamos que sua higiene bucal inadequada pode ter causado a persistência da positividade do teste de PCR. Em colaboração com a enfermeira, encorajamos repetidamente o Paciente 1 a escovar os dentes e gargarejar. Dois dias após o início desta instrução, no 49º dia após o início dos sintomas da paciente, o resultado do teste de PCR foi negativo pela primeira vez.”

O Paciente 2, que tinha as doenças subjacentes de transtorno dissociativo e retardo mental leve, apresentou um resultado negativo do teste de PCR 26 dias após ter sido admitido no centro médico; no entanto, o período de eliminação viral atingiu 43 dias antes de dois resultados negativos consecutivos de teste de PCR pudessem ser obtidos. “Naquela época, descobrimos que a Paciente 2 raramente escovava os dentes. Desde então, repetidamente a instruímos a escovar os dentes. Com quatro dias de escovação intensiva com apenas água, a Paciente 2 teve dois resultados negativos consecutivos no teste de PCR nos dias 44 e 47, então ela teve alta”, escreveram os pesquisadores.

Eles reconheceram que o baixo número de pacientes que foram acompanhados no estudo dificultou tirar conclusões estatísticas da pesquisa, mas observaram que era significativo que os dois pacientes com regimes de saúde bucal deficientes apresentassem períodos de eliminação viral significativamente mais longos do que a média. “Em tais casos de liberação viral prolongada, o ácido nucleico viral não infeccioso pode se acumular em uma cavidade oral não limpa e pode continuar a ser detectado por PCR. Propomos escovar os dentes e gargarejar para remover o ácido nucleico viral não infeccioso acumulado, levando a resultados de teste de PCR consistentemente negativos e evitando assim internações desnecessariamente longas”, concluíram os pesquisadores.

O estudo, intitulado “Effects of oral care on prolonged viral shedding in coronavirus disease 2019 (COVID-19)”, foi publicado on-line em 24 de julho de 2020 na Special Care in Dentistry, antes da inclusão em uma edição.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Latest Issues
E-paper

DT Brazil No. 3, 2015

Open PDF Open E-paper All E-papers

© 2020 - All rights reserved - Dental Tribune International