Dental Tribune Brazil

Estudo encontra diferenças na precisão de escâneres intraorais

By Dental Tribune International
February 26, 2021

SEOUL, Coreia do Sul: Embora os escâneres intraorais já existam há mais de três décadas e seu uso na prática odontológica esteja aumentando, poucas investigações avaliaram a precisão de escâneres 3D de implantes digitais. Como as discrepâncias entre os componentes do implante devem ser mínimas, pesquisadores da Escola de Odontologia da Universidade Nacional de Seul avaliaram a exatidão de dez escâneres intraorais na determinação das posições dos corpos de escaneamento de implantes simulados.

Os pesquisadores testaram a hipótese nula de que não haveria diferença significativa na precisão 3D entre os escâneres intraorais e que a posição do corpo da varredura não teria efeito sobre a veracidade.

Eles avaliaram o desempenho do CEREC Omnicam e CEREC Primescan (Dentsply Sirona), CS 3600 (Carestream Dental), DWIO (Dental Wings), i500 (Schütz Dental), iTero Element (Align Technology), PlanScan (Planmeca), TRIOS 2 e TRIOS 3 (3Shape) e True Definition (3M) na aquisição das posições precisas de seis cilindros que simulam corpos de varredura de implantes em um modelo parcialmente edêntulo. As varreduras digitais de cada escâner intraoral foram comparadas com o conjunto de dados de referência obtido por meio de uma máquina de medição por coordenadas. O desvio das posições reais dos seis cilindros ao longo dos eixos x, ye z e o desvio 3D geral da varredura digital foram calculados.

Ao contrário da primeira hipótese nula, os pesquisadores descobriram que o tipo de escâner intraoral e a posição dos corpos de varredura cilíndricos simulados influenciaram o grau e a direção dos desvios na precisão. O menor desvio foi encontrado no cilindro próximo à origem de referência, enquanto o maior desvio foi observado no lado contralateral para todos os escâneres testados. CEREC Primescan e TRIOS 3 tiveram a maior exatidão, seguidos pelo i500, TRIOS 2 e o Elemento iTero - embora a diferença não tenha sido estatisticamente significativa. O DWIO e o PlanScan mostraram a menor precisão em exames de implantes digitais mandibulares parcialmente desdentados.

A segunda hipótese nula - que a posição do corpo da varredura não teria efeito sobre a veracidade - também foi rejeitada, pois as varreduras digitais se desviaram com a distância da origem de referência. Quanto mais longe a varredura estava da origem, maior era o desvio. Este resultado está de acordo com estudos anteriores que confirmam a exatidão reduzida das digitalizações de implantes devido ao acúmulo de erros durante a costura da imagem.

O grupo de pesquisa observou que uma limitação do estudo foi que as impressões digitais foram coletadas em um modelo in vitro, que pode ser diferente de cenários in vivo em que o resultado pode ser influenciado por fatores como movimento do paciente e presença de tecidos moles e umidade.

Os autores do estudo concluíram: “Seria recomendado o uso de um [escâner intraoral] que seja capaz de produzir varreduras completas do arco, especialmente para a fabricação de próteses ou aparelhos de longo alcance.”

O estudo, intitulado “Trueness of ten intraoral escâneres in determining the positions of simulated implant scan bodies”, foi publicado em 28 de janeiro de 2021 na Scientific Reports.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

© 2021 - All rights reserved - Dental Tribune International