Estudo aponta para possível alternativa para amálgana

Search Dental Tribune

Estudo aponta para possível alternativa para amálgana

E-Newsletter

The latest news in dentistry free of charge.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.
Um novo estudo comparando as diferenças de custo entre o amálgama e restaurações de cimento de ionômero de vidro de alta viscosidade concluiu que HVGIC poderia ser considerado como uma alternativa viável para o amálgama. (Fotografia: sivivolk/Shutterstock)

sex. 23 março 2018

save

BRASÍLIA/DF: No planejamento de serviços de cuidados primários de saúde oral, o custo das implicações em termos de adoção de novas práticas de intervenção são importantes. Apesar da variedade de opiniões, amálgama continua a ser o padrão de atendimento em alguns países em desenvolvimento; no entanto, em um novo estudo, os pesquisadores compararam as diferenças de custo entre o amálgama e as restaurações de cimento de o ionômero de vidro de alta viscosidade (HVGIC) na cidade de Brasília e concluiu que o HVGIC poderia ser considerado como uma alternativa viável sobre o amálgama em dentes primários.

Falando ao Dental Tribune International, a pesquisadora responsável Ann Goldman, agora diretora de Programas Educacionais na Escola de Saúde Pública do Instituto Milken, Washington, EUA, disse: "Amálgama ainda é o material restaurador de escolha no Brasil e em outros países em desenvolvimento. Informações sobre o custo-efetividade dos materiais que possam ser usados no lugar de amálgama é de interesse dos profissionais de odontologia e programas de saúde oral em países em desenvolvimento, tendo em vista a fase final mundial de amálgama, que entrou em vigor em agosto de 2017."

Adotando a perspectiva do governo brasileiro, o estudo comparou os custos entre o amálgama e restaurações HVGIC e as consequências das falhas das restaurações ao longo de três anos. Os dados do custo foram coletados prospectivamente, e estimativas de custo foram desenvolvidas para a amostra do estudo com uma projeção de 1.000 únicas- e 1.000 múltiplas restaurações de superfície por grupo.

De acordo com o estudo, os resultados foram mistos. Para restaurações de superfície única, o HVGIC custou $51 por falha evitada, enquanto que para restaurações de superfícies múltiplas, o HVGIC foi custo-eficaz com uma economia de US$ 11 em comparação com o amálgama. Análise de sensibilidade probabilística (Monte Carlo Simulation) previu que o amálgama seria custo-efetivo em 49,2% do tempo, em comparação com 50,6 por cento do tempo com HVGIC em um limiar de custo de $237 por falha prevenida. Os funcionários responsáveis por mais da metade dos encargos para os dois métodos, instrumentos e suprimentos representavam cerca de um terço. De acordo com os resultados, o custo por restauração para substituir o amálgama com HVGIC variaram de $1 para uma economia de US$ 0,84.

Goldman passou a dizer que, porque os pesquisadores não tinha visto uma grande diferença entre o amálgama e HVGIC em termos de custo-efetividade em seu estudo, é importante a realização de mais pesquisas sobre HVGIC como um material que pode ser usado para substituir as restaurações em amálgama. Os pesquisadores também observaram que o custo global parecia diminuir à medida em que o número de restaurações aumentou.

O estudo, intitulado "Substituição de amálgama por ionômero de vidro de alta viscosidade na restauração de dentes primários: um estudo de custo-efetividade em Brasília, Brasil", foi publicado on-line em 28 de dezembro de 2017, no  Journal of Dentistry.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

advertisement
advertisement