Dental Tribune Brazil
Pesquisadores do hospital Cedars-Sinai, em Los Angeles, relataram recentemente que a cirurgia robótica pode aumentar as taxas de sobrevivência de pacientes com câncer orofaríngeo. (Imagem: Cedars-Sinai)

A cirurgia robótica melhora os resultados de saúde em pacientes com câncer orofaríngeo

By Dental Tribune International
September 18, 2020

LOS ANGELES, EUA: Devido aos seus benefícios consideráveis, incluindo ser minimamente invasiva, a cirurgia assistida por robô está ganhando reconhecimento crescente em muitas áreas médicas, incluindo a Odontologia. Em 2019, a Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA-sigla em inglês) dos EUA liberou o primeiro dispositivo robótico para cirurgia odontológica, e o mesmo está disponível comercialmente no país. Agora, uma nova pesquisa mostrou que a cirurgia robótica pode melhorar as taxas de sobrevivência em pacientes com carcinoma de células escamosas de orofaringe em estágio inicial.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, ocorrem aproximadamente 657.000 novos casos de câncer de cavidade oral e faringe a cada ano e mais de 330.000 mortes associadas. A Fundação do Câncer Oral informou recentemente que 53.000 americanos serão diagnosticados com câncer oral ou orofaríngeo somente este ano. O câncer orofaríngeo tem uma associação bem estabelecida com a infecção pelo papilomavírus humano (HPV) e é mais comum em homens do que em mulheres. No início do ano, a Dental Tribune International relatou uma nova tecnologia que pode ajudar a detectar o HPV e, posteriormente, melhorar o diagnóstico precoce do câncer de boca e garganta.

Cirurgia robótica transoral em alta

A cirurgia robótica transoral é um procedimento minimamente invasivo que permite que médicos e profissionais da Odontologia realizem procedimentos médicos complexos em pacientes enquanto mantêm uma distância segura, o que pode agora ser mais importante do que nunca à luz da pandemia de SARS-CoV-2. Pesquisadores do hospital Cedars-Sinai em Los Angeles observaram que um número crescente de pacientes - de 18,3% em 2010 para 35,5% em 2015 - foi submetido à cirurgia robótica transoral para câncer de orofaringe em estágio inicial após o procedimento ter sido aprovado pela FDA em 2009. Além disso, o número de instalações que realizavam cirurgia robótica transoral durante o mesmo período aumentou dramaticamente, de 6,3% para 13,9%.

Isso levou os pesquisadores a examinar se a cirurgia robótica é superior a outros tratamentos para pacientes com câncer de orofaringe, como cirurgia padrão, radioterapia e quimioterapia. O estudo utilizou dados do National Cancer Database e incluiu 9.745 pacientes cirúrgicos. Aproximadamente um terço dos pacientes foi submetido à cirurgia robótica transoral entre 2010 e 2015, e os resultados relataram que a taxa de sobrevida geral em cinco anos para esses pacientes foi de 84,5%, em comparação com 80,3% para pacientes que fizeram cirurgia não robótica.

“No mínimo, a cirurgia robótica para pacientes com câncer orofaríngeo parece segura e eficaz em comparação com o que tem sido o padrão de tratamento por muitos anos”, disse o autor sênior Dr. Zachary S. Zumsteg, professor assistente de Oncologia por radiação no Cedars-Sinai, em um comunicado à imprensa.

Além do aumento das taxas de sobrevida geral, os pesquisadores descobriram que a cirurgia robótica estava associada a taxas mais baixas de margens cirúrgicas positivas - o que indica que existem algumas células cancerígenas nas bordas do tecido ressecado e, portanto, provavelmente é necessário mais tratamento - 12,5%, em comparação com uma taxa de 20,3% para cirurgia não robótica. Além disso, a cirurgia robótica foi associada ao uso reduzido de quimiorradiação pós-operatória, 28,6%, em comparação com 35,7% para pacientes que fizeram cirurgia não-robótica.

“Nosso objetivo ao fazer este estudo foi ver como essa nova tecnologia, que nunca foi testada em um estudo randomizado e controlado, influenciou os padrões de tratamento e resultados desde sua aprovação pela FDA”, disse Zumsteg. “Há uma curva de aprendizado com qualquer nova técnica cirúrgica, e novas nem sempre se traduzem em resultados iguais ou melhores”, continuou ele.

“Enquanto isso, é reconfortante para nossos pacientes que sua taxa de sobrevivência é a mesma, senão melhor, com a cirurgia robótica e eles têm o potencial para uma melhor qualidade de vida”, autor principal Dr. Anthony T. Nguyen, residente do departamento Oncologia por radiação no Cedars-Sinai, disse no mesmo comunicado.

O estudo, intitulado “Comparison of survival after transoral robotic surgery vs nonrobotic surgery in patients with early-stage oropharyngeal squamous cell carcinoma,” foi publicado on-line em 20 de agosto de 2020, no JAMA Oncology, antes da inclusão em uma edição.

 

Nota editorial: Mais informações sobre Yomi, o primeiro sistema cirúrgico odontológico assistido por robô do mundo, podem ser encontradas aqui.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Latest Issues
E-paper

DT Brazil No. 3, 2015

Open PDF Open E-paper All E-papers

© 2020 - All rights reserved - Dental Tribune International