Dental Tribune Brazil

Pesquisa destaca oferta inadequada de EPI para trabalhadores da linha de frente por hospitais

By Jeremy Booth, DTI
June 19, 2020

DAVOS, Suíça: Uma pesquisa transversal internacional constatou que a maioria dos cirurgiões acreditava que o fornecimento de equipamento de proteção individual (EPI) a profissionais de saúde da linha de frente por hospitais no primeiro mês do surto de SARS-CoV-2 era inadequado.

Realizada entre 8 de abril e 12 de abril, a pesquisa foi enviada a membros da rede global de médicos AO CMF de Davos, com o objetivo de avaliar o impacto da pandemia de SARS-CoV-2 nos cirurgiões da AO CMF e no atendimento de pacientes em diferentes regiões. Ele também teve como objetivo medir a adequação dos EPIs fornecidos aos profissionais de saúde da linha de frente pelos hospitais.

Constatou-se que apenas 42,6% dos entrevistados tinham acesso a EPI adequado e que a disponibilidade de EPI entre profissionais de saúde e cirurgiões diferia significativamente nas regiões em que os entrevistados clinicavam.

De acordo com os resultados, a maioria dos entrevistados considerou que os hospitais não haviam fornecido aos profissionais de saúde de primeira linha EPI adequados. A maioria dos entrevistados da África (79,2%), Ásia (54,0%), Europa (54,0%) e América do Sul (66,7%) disse que os EPIs fornecidos pelos hospitais aos profissionais de saúde da linha de frente eram inadequados. A maioria dos entrevistados que clinicam na Austrália (60,0%) e no Oriente Médio (57,7%) indicou que o EPI fornecido aos hospitais por profissionais de saúde da linha de frente era adequado. Dos entrevistados da América do Norte, 51,1% relataram que o EPI fornecido não era adequado e 48,9% relataram que sim. Quando os resultados foram aplicados a países individuais, o EPI foi relatado como menos adequado em países com um número menor de casos de COVID-19.

A pesquisa constatou que a melhor proteção foi oferecida aos cirurgiões na Austrália, onde 60,0% dos cirurgiões trabalhavam com máscaras N95/FFP2 e 40,0% com sistemas de respirador purificador de ar (PAPR). Na América do Norte, 47,7% dos cirurgiões trabalhavam com máscaras N95/FFP2 e 42,2% trabalhavam com sistemas PAPR.

Verificou-se que, na África, apenas máscaras cirúrgicas estavam disponíveis para a grande maioria dos cirurgiões ao tratar pacientes com COVID-19, e uma alta porcentagem de cirurgiões também relatou que precisavam confiar em máscaras cirúrgicas para proteção na Ásia (30,0% ), Europa (24,2%), Oriente Médio (36,0%), América do Norte (11,1%) e América do Sul (30,2%).

Os entrevistados que clinicam na África e na América do Sul foram os que mais relataram EPI inadequado quando comparados aos da Europa. Os entrevistados também foram questionados se suas regiões haviam experimentado anteriormente um surto de síndrome respiratória aguda grave ou gripe suína. No entanto, não foi encontrada diferença estatisticamente significativa na disponibilidade de EPI entre regiões, uma vez que os resultados da pesquisa foram ajustados para os fatores de um surto anterior, a aderência às diretrizes e a disponibilidade de proteção máxima da máscara facial.

A pesquisa constatou que mais de 80% dos cirurgiões em todas as regiões haviam parado de realizar cirurgias eletivas.

Comentando sobre o risco de infecção dos profissionais de saúde da linha de frente e a responsabilidade dos hospitais de minimizar os riscos à saúde ocupacional, os autores declararam na pesquisa que “é notável notar que nesta pesquisa a maioria dos cirurgiões da CMF sente que os hospitais não fornecem EPI adequado”.

Eles continuaram: “Além disso, descobrimos que, à medida que o número de casos confirmados de COVID-19 por país diminui, quantidade e qualidade adequadas de EPI para os profissionais de saúde e cirurgiões diminuem. Esta é uma descoberta preocupante, uma vez que países com baixo número de casos confirmados de COVID-19 (Paquistão, México, Filipinas, Colômbia e Argentina) provavelmente correm mais risco de disseminação adicional de SARS-CoV-2, tornando o acesso a EPIs adequados ainda mais importante”.

Seis participantes da pesquisa indicaram que haviam testado positivo para SARS-CoV-2.

Foram entrevistados 511 participantes das regiões da África (24), Ásia (135), Austrália (5), Europa (124), Oriente Médio (28), América do Norte (59) e América do Sul (124). Cirurgiões de várias especialidades participaram da pesquisa, mas os especialistas em cirurgia bucal e maxilofacial foram a grande maioria (412), seguidos pelos especialistas em cirurgia plástica e reconstrutiva (54), e cirurgias de orelha, nariz e garganta (25) .

O estudo, intitulado “The global impact of COVID-19 on craniomaxillofacial surgeons”, foi publicado on-line em 31 de maio de 2020 em Craniomaxillofacial Trauma and Reconstruction, antes da inclusão em uma edição.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Latest Issues
E-paper

DT Brazil No. 3, 2015

Open PDF Open E-paper All E-papers

© 2020 - All rights reserved - Dental Tribune International